Governo reafirma diminuição da carga fiscal em 2017

Pedro Nuno Santos diz estar disponível para negociar o Orçamento com os partidos parceiros e assegura que este não incluirá aumento de impostos.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, afirma que exigências feitas à esquerda para o Orçamento de Estado de 2017 dependem apenas da aprovação do documento pelo PCP e BE na generalidade, para que este possa passar às negociações em comissão.

Pedro Nuno Santos afirma que “para a especialidade temos de ter a proposta inicial aprovada na generalidade”, mostrando abertura por parte do Governo para negociar na especialidade as reivindicações dos parceiros não contempladas na proposta original do Orçamento de Estado.

Terminados os encontros com o ministro das Finanças no Parlamento, PCP e BE admitiram que ainda há questões em aberto, como o aumento de 10 euros nas pensões e a alteração da data que prevê o fim da sobretaxa de IRS para os contribuintes com maiores rendimentos.

O secretário de Estado garante que as negociações com os partidos parceiros do Governo “estão a correr bem” e, sem revelar qualquer informação concreta sobre o seu conteúdo, lembra que o Orçamento de Estado “só está fechado quando é entregue”.

O Orçamento será aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros e entregue à Assembleia da República na sexta.

Pedro Nuno Santos desmente as previsões da oposição e assegura que “pela segunda vez, a carga fiscal vai voltar a baixar. De aumentos brutais de impostos percebem alguns partidos da oposição, não este Governo”.

 

Ler mais
Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a aumentar em junho

O saldo das expectativas relativas à evolução da situação económica do país aumentou em junho, após ter diminuído ligeiramente no mês precedente, revela esta quinta-feira o INE.

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Joana Marques Vidal fala segunda-feira na SEDES sobre “a corrupção e autonomia do Ministério Público”

O evento enquadra-se no Ciclo de Debates “Ao fim de tarde na SEDES com quem sabe”, do qual o Jornal Económico é ‘media partner’. Na palestra, anterior, que decorreu a 24 de junho, o antigo Presidente da República, Ramalho Eanes, alertou que a corrupção “grassa pela sociedade”.
Comentários