Governo responde a Bruxelas: “Vale a pena comparar previsões com resultados”

O primeiro-ministro utilizou a rede social Twitter comparando as previsões de Bruxelas, com os resultados do Governo português.

Miguel A. Lopes / Lusa

O primeiro ministro português, António Costa, respondeu esta sexta-feira à Comissão Europeia (CE) sobre o pessimismo relatado por Bruxelas nas previsões de crescimento da economia portuguesa e do défice do próximo ano. Através da sua conta pessoal do Twitter, o líder do Executivo presentou uma tabela na qual compara as previsões  com os resultados obtidos por Portugal nos anos anteriores.

Esta quinta-feira, Bruxelas publicou as suas estimativas através do documento “Autumn 2018 Economic Forecast”, no qual apontava para um abrandamento do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 1,8% em 2019, abaixo dos 2% das previsões de verão e dos 2,2% previstos pelo Governo.

“O PIB em Portugal aumentou 2,3% face ao primeiro semestre de 2018, impulsionado principalmente pela forte procura interna e em linha com as previsões intercalares de verão”, diz a CE, acrescentando que “o crescimento do PIB deverá moderar-se ligeiramente no segundo semestre do ano, principalmente devido à desaceleração da procura externa. No geral, o PIB deverá crescer 2,2% este ano, abaixo dos 2,8% em 2017”, refere o relatório.

Ler mais
Relacionadas

Bruxelas revê em baixa expansão da economia portuguesa e espera défice de 0,6% em 2019

A Comissão Europeia identifica factores externos como a principal causa no desacelerar do crescimento do PIB em Portugal. Nas previsões de outono, Bruxelas mostra-se mais pessimistas que o Governo em relação ao défice público de 2019.
Recomendadas

Preços das casas cresceram 10,3% no ano de 2018

Este valor representa uma variação média anual de mais 1,1 pontos percentuais (p.p.) do que a registada em 2017. O aumento médio anual dos preços das habitações existentes (11,0%) em 2018 continuou a superar o das habitações novas (7,5%) percentuais que no trimestre anterior.

Carlos Costa: “Apesar dos incontestáveis progressos, não há espaço para complacência”

Governador do Banco de Portugal defendeu a necessidade de forjar consensos políticos e económicos para implementar reformas estruturais.

Avião da Cruz Vermelha Portuguesa já aterrou em Moçambique

A bordo seguiram 35 toneladas de ajuda humanitária, incluindo um hospital de campanha com sete módulos e geradores, mais 15 toneladas de medicamentos.
Comentários