Governo trava contratos de exploração petrolífera com Repsol/Partex e Sousa Cintra

Os contratos com a Portfeul de Sousa Cintra já foram rescindidos, prevendo-se o mesmo desfecho para o contrato assinado com o consórcio da Repsol e Partex.

Conflitos no Médio Oriente

O Governo vai travar os contrato da concessão de exploração petrolífera no ‘offshore’ algarvio, assinados com a Repsol e a Partex e com a empresa Portfuel, de Cousa Cintra.

O Ministério da Economia informou esta semana, através de ofício dirigido ao Parlamento, que irá iniciar o processo de execução das cauções prestadas pelo consórcio Repsol/Partex, no valor de 4,5 milhões de euros.

A razão invocada para arrancar com este processo de execução prende-se com o alegado incumprimento por parte do consórcio da Repsol e da Partex do plano de trabalhos proposto para 2016, associado ao contrato de concessão para prospeção, pesquisa, desenvolvimento e exploração de petróleo na área a Sul da costa algarvia, designada por ‘Lagosta’.

Se se provar esta argumentação, existe fundamento válido para rescindir o contrato, mas não foi possível obter comentários do Ministério da Economia sobre esta matéria.

Quanto aos contratos de concessão em terra, em Aljezur e Tavira, celebrados com a Portfuel, do empresário Sousa Cintra, o mesmo ofício enviado pelo Ministério da Economia à Assembleia da República garante que “foram já oficialmente rescindidos”, de acordo com um comunicado da associação ambientalista Quercus, a que o Jornal Económico teve acesso.

Nesse mesmo comunicado, “a PALP – Plataforma Algarve Livre de Petróleo congratula-se com o desfecho dado a esses contratos e espera que o Governo tome a mesma decisão em relação às concessões que se mantêm em vigor”, garantindo que “irá continuar a desenvolver ações e a envidar esforços para que todos os processos de prospeção e exploração sejam anulados”.

Além destes contratos, existem outros em várias regiões ‘offshore’ e ‘onshore’ do País, em diversos estádios de progressão, nomeadamente o que foi celebrado com o consórcio da Eni/Galp, na bacia marítima do Alentejo, ao largo Sines, cujo desfecho ainda não é conhecido.

 

 

Ler mais
Recomendadas

easyJet estabelece acordo de ‘code share’ com Cathay Pacific

Com o acordo hoje, dia 21 de janeiro, anunciado, a partir das próximas semanas, os clientes da easyJet poderão voar para Hong Kong a partir do aeroporto de Gatwick (Londres).

Governo já sabia de irregularidades na CGD? Se sim, “é grave”, aponta Rui Rio

“Eu não quero acreditar que, no quadro de todos aqueles valores que ali estão, possa ter sido tudo concedido, todo aquele crédito possa ter sido concedido de uma forma clara e limpa, que não mereça uma investigação”, disse Rui Rio aos jornalistas, na sede nacional do partido, em Lisboa.

Custa 336 euros e garante alimentação para um mês. Esta é a ‘Brexit box’

Concebido e comercializado pela empresa Emergency Food Storage, o pacote inclui 60 receitas que podem ser consumidas nos próximos 25 anos
Comentários