Governo vai alterar lei que regula apoio à vida independente das pessoas com deficiência

Em declarações à agência Lusa depois da reunião, Eduardo Jorge disse que a tutela também se comprometeu em dar seis meses de transição para que quem está em instituições possa reorganizar a sua vida.

O Governo vai alterar a lei que regula o modelo de apoio à vida independente das pessoas com deficiência, disse o cidadão que esteve em protesto no fim de semana à porta do parlamento e esta quinta-feira reuniu com a tutela.

Em declarações à agência Lusa depois da reunião, Eduardo Jorge disse que a tutela também se comprometeu em dar seis meses de transição para que quem está em instituições possa reorganizar a sua vida.

Segundo explicou, o cidadão tetraplégico que esteve em protesto junto ao parlamento, o Governo “vai ainda tentar levar ao último Conselho de Ministros deste ano” a alteração à legislação pedida pelas pessoas que estão institucionalizadas e que dizem não ter apoio suficiente para poder optar pela vida independente.

A Lusa contactou a tutela, que remeteu explicações para um comunicado a emitir ainda hoje.

Eduardo Jorge disse à Lusa que, no fundo, o Governo acabou por responder às solicitações e às dificuldades sentidas por estas pessoas.

Este cidadão explicou a dificuldade que têm as pessoas na sua condição, que estão em lares/ERPI (Estrutura Residencial para Idosos), em poder optar por continuar lá, mas, ao contrário do que a lei define, não terem assistência 24 horas/dia no exterior.

“Se eu à noite sair do trabalho, ou da instituição, em posso querer ir para minha casa, ou até, por exemplo, durante um período de férias, mas o lar não nos dá esse apoio fora”, explicou, apontando igualmente as verbas disponibilizadas para este tipo de apoios.

Outra das reivindicações prendia-se com as verbas disponíveis para os Centro de Apoio à Vida Independente [CAVI], consideradas curtas.

Segundo Eduardo Jorge, na reunião de hoje ficou ainda decidido que o Governo vai convocar todos os CAVI e reforçará as verbas disponibilizadas com fundos da União Europeia.

Na segunda-feira, depois de desmobilizar do protesto frente ao parlamento, Eduardo Jorge explicou: “Estou inscrito num Centro de Apoio à Vida Independente no distrito de Santarém e a grande preocupação é: se houve 1,4 milhões para cada CAVI, uma vez que eles têm outras valências – lares, apoio domiciliário, centros de apoio ocupacional – e têm vários utentes, vão querer disponibilizar a resposta ao maior número possível de utentes (…) e as verbas não vão chegar”, afirmou.

Para Eduardo Jorge, todos os que estão em condições idênticas à sua, que por lei teriam direito a até 24h/dia de apoio, não poderiam ter com as verbas atualmente definidas.

Ler mais
Recomendadas

Eduardo Catroga no Parlamento: “Mito das rendas excessivas do setor elétrico é uma falsa questão”

Está a decorrer a audição do ex-presidente e atual vogal do Conselho Geral e de Supervisão da EDP no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Catroga defende que as “alegadas rendas excessivas” não têm “qualquer fundamento técnico ou jurídico”.

Theresa May sobrevive à moção de censura

O resultado da votação parlamentar foi de 325 votos contra a moção de censura e 306 a favor. O futuro do processo da saída do Reino Unido da União Europeia permanece incerto, vinte e quatro horas depois de Theresa May ter sofrido a maior derrota no parlamento inglês, que chumbou o acordo sobre o Brexit.

Costa afirma que há condições políticas à esquerda para aprovar lei de bases da saúde

Estas posições foram defendidas por António Costa no seu discurso final num almoço promovido em parceria entre a Associação 25 de Abril e a revista “Ânimo”, do artista plástico e antigo jornalista e assessor de imprensa do Grupo Parlamentar do PS António Colaço.
Comentários