Governo vai investir 300 milhões de euros em ciclovias até 2030

Intenção da tutela foi apresentada esta tarde no concelho da Amadora pelo ministro João Matos Fernandes e insere-se no Programa Portugal Ciclável 2030, com um horizonte de execução de 12 anos.

O Governo pretende investir 300 milhões de euros até 2030 na construção de novas ciclovias, ligando as já existentes, de forma a incentivar o uso de bicicleta em detrimento do automóvel, anunciou hoje o ministro do Ambiente.

A intenção da tutela foi apresentada esta tarde no concelho da Amadora pelo ministro João Matos Fernandes e insere-se no Programa Portugal Ciclável 2030, com um horizonte de execução de 12 anos.

No total, o Governo pretende investir 300 milhões de euros (ME) no financiamento de 110 ciclovias, tendo como ambição que, no final do programa, Portugal passe a dispor de 960 quilómetros de ciclovias.

“A bicicleta é um modo de transporte, não é um brinquedo. Também pode ser um brinquedo, mas nasceu para transportar pessoas e é para isso que ela deve ser utilizada. Devemos aproveitar esta onda de lazer e a consciência de que o espaço público não deve ser só pensado em função do automóvel”, afirmou, no final da sessão, aos jornalistas, o governante.

João Matos Fernandes explicou que a tutela pretende aproveitar o esforço que alguns municípios já fizeram na construção de ciclovias e interligá-las.

“Hoje sabemos que em distâncias até 15 quilómetros nós podemos aumentar o uso da bicicleta. Sabendo que só 1% se desloca, em média, de bicicleta de casa para o trabalho ou de casa para a escola esperamos que daqui por 12 anos possamos chegar, pelo menos, aos 7%, que é a média europeia”, apontou.

De acordo com o plano apresentado pelo Governo, que estará em consulta pública até 14 de outubro, caberá aos municípios elaborarem os projetos de natureza municipal ou intermunicipal e sujeitá-los a financiamento, sendo que o limite máximo de apoio é de 75%.

O programa Ciclável 2030 vai dividir-se em três subprogramas, dizendo o primeiro respeito a ciclovias de interconexão entre aglomerações relevantes (160 milhões para 34 projetos), o segundo entre aglomerações relevantes contíguas (110 ME para 55 projetos) e o terceiro para aglomerações relevantes isoladas (30 ME para 21 projetos).

João Matos Fernandes referiu, ainda, que na escolha dos projetos a tutela vai dar prioridade aqueles que aproveitem antigas linhas ferroviárias, sirvam de interface a estações ferroviárias ou rodoviárias e que passem “à porta de geradores de tráfego relevantes”.

Presente nesta sessão na Amadora esteve o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo (distrito de Aveiro), o município português que tem a maior quota de utilização da bicicleta em viagens pendulares (9,7%).

Ler mais
Recomendadas

É oficial: o café está em risco

Alterações climáticas que se têm sentido nos últimos anos estão a afetar a produção de café.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.

Reforma da supervisão financeira anunciada há quase dois anos continua por fazer

A reforma da supervisão financeira faz parte do programa do Governo, de finais de 2015, e logo em 2016 o ministro das Finanças, Mário Centeno, falou da necessidade de lançar uma “reflexão profunda” sobre a supervisão, para que “funcione melhor”, tendo em conta que “a experiência recente do sistema financeiro [português] é dececionante”.
Comentários