Governo vai investir 300 milhões de euros em ciclovias até 2030

Intenção da tutela foi apresentada esta tarde no concelho da Amadora pelo ministro João Matos Fernandes e insere-se no Programa Portugal Ciclável 2030, com um horizonte de execução de 12 anos.

O Governo pretende investir 300 milhões de euros até 2030 na construção de novas ciclovias, ligando as já existentes, de forma a incentivar o uso de bicicleta em detrimento do automóvel, anunciou hoje o ministro do Ambiente.

A intenção da tutela foi apresentada esta tarde no concelho da Amadora pelo ministro João Matos Fernandes e insere-se no Programa Portugal Ciclável 2030, com um horizonte de execução de 12 anos.

No total, o Governo pretende investir 300 milhões de euros (ME) no financiamento de 110 ciclovias, tendo como ambição que, no final do programa, Portugal passe a dispor de 960 quilómetros de ciclovias.

“A bicicleta é um modo de transporte, não é um brinquedo. Também pode ser um brinquedo, mas nasceu para transportar pessoas e é para isso que ela deve ser utilizada. Devemos aproveitar esta onda de lazer e a consciência de que o espaço público não deve ser só pensado em função do automóvel”, afirmou, no final da sessão, aos jornalistas, o governante.

João Matos Fernandes explicou que a tutela pretende aproveitar o esforço que alguns municípios já fizeram na construção de ciclovias e interligá-las.

“Hoje sabemos que em distâncias até 15 quilómetros nós podemos aumentar o uso da bicicleta. Sabendo que só 1% se desloca, em média, de bicicleta de casa para o trabalho ou de casa para a escola esperamos que daqui por 12 anos possamos chegar, pelo menos, aos 7%, que é a média europeia”, apontou.

De acordo com o plano apresentado pelo Governo, que estará em consulta pública até 14 de outubro, caberá aos municípios elaborarem os projetos de natureza municipal ou intermunicipal e sujeitá-los a financiamento, sendo que o limite máximo de apoio é de 75%.

O programa Ciclável 2030 vai dividir-se em três subprogramas, dizendo o primeiro respeito a ciclovias de interconexão entre aglomerações relevantes (160 milhões para 34 projetos), o segundo entre aglomerações relevantes contíguas (110 ME para 55 projetos) e o terceiro para aglomerações relevantes isoladas (30 ME para 21 projetos).

João Matos Fernandes referiu, ainda, que na escolha dos projetos a tutela vai dar prioridade aqueles que aproveitem antigas linhas ferroviárias, sirvam de interface a estações ferroviárias ou rodoviárias e que passem “à porta de geradores de tráfego relevantes”.

Presente nesta sessão na Amadora esteve o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo (distrito de Aveiro), o município português que tem a maior quota de utilização da bicicleta em viagens pendulares (9,7%).

Ler mais
Recomendadas

“Queremos comida”, gritam centenas na cidade da Beira após ciclone que atingiu Moçambique

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país até hoje sem energia.

Presidente executivo do Novo Banco é ouvido hoje no Parlamento

O presidente executivo do Novo Banco é hoje ouvido na Assembleia de República, na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito do requerimento apresentado pelo grupo parlamentar do PSD.

Reforma da supervisão financeira: Banco de Portugal diz que causas de exoneração previstas “constituem um limite à independência”

O Banco de Portugal defende que os “membros do conselho de administração devem ser inamovíveis, como garantia contra influências externas sobre a sua capacidade de tomada de decisão”. O supervisor destaca que a “introdução de eventuais especificidades nacionais” na reforma da supervisão financeira “causa dúvidas interpretativas e de aplicação”, argumenta o Banco de Portugal, apontando que a “previsão expressa de causas de exoneração (…) vai ao arrepio da linha que tem sido seguida pelo BCE”.
Comentários