Greve de professores e educadores ameaça fechar hoje escolas portuguesas

Os sindicatos acusam o governo de pretender, sem negociação, descongelar a carreira docente, apagando mais de nove dos últimos 12 anos de serviço dos docentes. Esta indignação está na origem da grande mobilização que hoje ameaça paralisar grande parte das escolas.

Ler mais

A indignação dos professores está em níveis muito elevados e a greve de hoje dar-lhe-á a devida expressão, diz a FENPROF, que aponta para níveis elevados de adesão.

Os professores acusam o governo de pretender, sem negociação, descongelar a carreira docente, apagando mais de nove dos últimos 12 anos de serviço dos docentes. Este é um tema de que os sindicatos não abrem mão. Querem ver recuperado todo o tempo de serviço e a contagem integral para efeitos de progressão. Querem igualmente o reposicionamento dos docentes retidos no 1.º escalão por terem ingressado nos quadros após 2013, o reposicionamento dos docentes retidos nos 4.º e 6.º escalões e o reposicionamento dos docentes que não usufruíram da medida aplicável após a aquisição de formação acrescida.

Os sindicatos lutam igualmente por “um compromisso de desenvolvimento de processos negociais relativos a aposentação, horários de trabalho e concursos”.

Os sindicatos acusam o governo de nadra a brincar ao “empurra”. No site da FENPROF pode ler-se uma cronologia dos acontecimentos: Em 12 de outubro, o Ministério das Finanças remeteu o  processo para o Ministério da Educação, que quatro dias depois fez saber que o dossiê não era da sua competência. Contactado em 2 de novembro pela FENPROF, o gabinete do Primeiro-Ministro, remeteu para o Gabinete do Ministro da Educação que, no dia 10 em Coimbra, “se limitou a fazer saber que “atempadamente” seria marcada uma reunião”.

Segundo a maior estrutura sindical do setor, esta “falta de diálogo” e “este jogo-de-empurra” entre membros do Governo “são indignos de uma democracia em que os governantes se dizem defensores do diálogo social”.

O Ministério da Educação promoveu ontem reuniões de última hora com os sindicatos, mas sem êxito.

Na última sexta-feira, a FNE, filiada na UGT, outra importante estrutura sindical alertou para a perigosidade do conflito.

Recomendadas

Pedidos de habitação social em Lisboa atingem máximo de oito anos

Segundo dados da autarquia, vivem nos bairros municipais “cerca de 75 mil pessoas”, o que corresponde a “mais de 15% da população da cidade”. Na cidade do Porto existem mais de mil pedidos por satisfazer.

Táxis: Taxistas insistem que mantêm protesto até serem recebidos pelo Governo

Os taxistas continuam este sábado parados, pelo quarto dia consecutivo, e determinados a manter o seu protesto até serem recebidos pelo Governo, disse hoje Florêncio Almeida, da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL).

Diretor artístico do Museu de Serralves apresenta demissão

O diretor artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, apresentou na sexta-feira a sua demissão porque “já não tinha condições para continuar à frente da instituição”, segundo disse o próprio ao jornal Público.
Comentários