Greve dos professores: Fenprof promete “milhares” nas ruas de Lisboa, Madeira e Açores

O sindicato acredita que a indignação dos docentes se vai traduzir na adesão à greve de amanhã.

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) afirma que “milhares” de professores e educadores vão aderir à greve agendada para esta quarta-feira, 15 de novembro, e concentrar-se junto à Assembleia da República, em Lisboa, e nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores (Funchal e Ponta Delgada, respetivamente).

“Os professores estão indignados com a intenção do Governo de lhes apagar mais de nove dos últimos 12 anos de serviço cumprido e de prolongar, ainda mais, a sua permanência nos escalões da carreira, com a aplicação de normas que levariam à perda de um número ainda maior de tempo de serviço”, refere a organização sindical.

O sindicato acredita que a indignação dos docentes se vai traduzir na adesão à greve de amanhã, conforme explicou num comunicado enviado esta manhã, e lembrou que, de 3 de novembro até esta terça-feira, não houve contacto do Executivo “no sentido de se abrir uma qualquer janela de diálogo que levasse ao desenvolvimento de um processo negocial sobre o descongelamento da carreira docente ou outras questões”.

O calendário da Fenprof estipula que às 8:00 horas será realizado o acompanhamento do início da greve junto à escola EB 2.3 Manuel da Maia, na capital. Mais tarde, às 10:30 horas, os docentes e educadores vão participar na pré-concentração, no Largo do Rato e às 10:50 horas haverá um desfile pela Rua de São Bento até à Assembleia da República. Para as 11:00 horas está agendada um a concentração frente à Assembleia da República e, 01:45 depois, uma intervenção dirigida aos professores.

O Secretariado Nacional da Fenprof enviou, no início deste mês, o pré-aviso de greve ao ministério da Educação. Tal como a federação já tinha anunciado, dia 15 de novembro os professores vão estar em greve “pelo descongelamento justo das progressões, recuperação dos anos de congelamento e contagem integral do tempo de serviço prestado pelos docentes”.

Relacionadas
Dívida de 7,4 milhões de euros no ensino superior põe salários em risco
Em causa estão os aumentos salariais dos professores com agregação e a atualização do salário mínimo, que não estavam previstos na versão original do Orçamento do Estado para 2017.
Notas: Educação Física é a campeã dos “5”, Português fica em último
Um estudo da Direcção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência hoje divulgado revela que apenas 5% dos alunos obteve a classificação máxima de 5 a Português, contra 20% a Educação Física em 2014/15.
UGT ao Governo: “Ouçam os sindicatos para que se encontre uma solução”
Em vésperas da greve nacional de professores, marcada para 15 de novembro, o secretário-geral Carlos Silva, insta o governo a retomar o diálogo na educação.
Recomendadas
Governo admite “problema” nas novas pensões
“Esses são a nossa prioridade e penso que, até ao final do ano, todos os casos de longa duração serão resolvidos”, explicou o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
Associações contra a venda da Herdade da Comporta por razões ambientais
A Zero e a Transparência e Integridade descrevem cinco razões que obstam à venda da Herdade na Comporta. Entre vícios legais, decisões inexplicáveis e impactos ambientais, as duas associações apelam que os processos que se venham a desenvolver tenham o mínimo impacto ecológico possível.
Maioria dos lisboetas satisfeitos com as escolas da capital
De acordo com os dados mais recentes da União Europeia, referentes a 2015, os residentes em Dublin e Liubliana são os mais satisfeitos com os estabelecimentos de ensino.
Comentários