Greve dos professores: saiba aqui o calendário das paralisações

Organizações sindicais de professores entregam o pré-aviso de greve, no Ministério da Educação, esta sexta-feira, dia 21, às 11 horas. À semelhança da última greve também esta terá a duração de quatro dias, cada um dos quais atingindo uma região especifica do país.

Os sindicatos de professores entregam em mão esta sexta-feira, 21 de setembro, às 11 horas, o  pré-aviso de greve para a primeira semana de outubro. A paralisação ocorrerá entre 1 e 4 de outubro. À semelhança da última greve também esta terá a duração de quatro dias, cada um dos quais atingindo uma região especifica do país.

A greve arranca dia 1 de outubro na Região da Grande Lisboa, abrangendo os distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém. Dia 2 de outubro paralisarão os docentes do Alentejo e do Algarve. Dia 3 será a vez dos professores da Região Centro e dia 4 da Região Norte e Açores.

Sexta-feira é o último dia da semana de plenários que estão a realizar-se em todo o país, nos quais já participaram milhares de professores e educadores.

“Até agora, em todos eles”, diz a FENPROF, em comunicado foi aprovada uma tomada de posição, “por norma, por unanimidade e aclamação, em que os professores ratificam a estratégia negocial e de luta apresentada pelas suas organizações sindicais”.

Os professores e educadores reunidos em dez estruturas sindicais – ASPL, Fenprof, FNE, Pró-Ordem, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB e SPLIU – exigem que o governo contabilize os 9 anos, 4 meses e 2 dias de atividade realizada durante os períodos de congelamento das carreiras. Mas o Governo anunciou já que vai aprovar um decreto-lei no sentido de permitir que a partir de 1 de janeiro de 2019, aos docentes do ensino básico e secundário cuja contagem do tempo de serviço esteve congelada entre 2011 e 2017, seja atribuída uma bonificação de 2 anos, 9 meses e 18 dias a repercutir no escalão para o qual progridam a partir daquela data.

Recomendadas

OE2019: Governo quer criar taxa municipal de proteção civil

No documento, o executivo define para cálculo desta contribuição “até 80% do total de custos com proteção civil associados aos respetivos riscos incorridos pelo município”.

“Não acho que seja uma farsa”. Trump já acredita no aquecimento global?

Na mais recente entrevista ao “60 Minutos”, o presidente norte-americano revelou que as alterações climáticas ”não são uma farsa”, concluindo, no entanto, que as ações do homem não são a causa da situação.

“Super-humanos” vão substituir o homem comum. Previsão é de Stephen Hawking

Físico britânico deixou uma série de artigos onde afirma que, ainda este século, humanos geneticamente modificados e mais capazes em todas as áreas vão acabar com o homem como hoje o conhecemos. O tema é assunto de um livro a editar esta terça-feira.
Comentários