PremiumGSi. Um acrónimo que se adapta espantosamente bem ao Insignia

Procurar saber se há carros bons ou maus não faz sentido. É mais correto procurar saber se são bons ou muito bons. E o Opel Insignia GSi Biturbo de dois litros responde a todas as exigências.

Estamos perante um desportivo familiar, ou melhor, um carro que pode ser familiar quando é preciso e passa a desportivo sempre que o condutor o entender. O veículo testado debita 210 cv de potência com 480 Nm de binário nas 1500 rpm. Um bólide a sério que dá prazer pela experiência única. E se há marcas com raça, este Opel Insignia do grupo PSA é um deles. Com uma caixa automática de oito velocidades, o GSi tem mais um pormenor, permitindo ao condutor escolher uma alternativa, o chamado “competitive mode”, que permite desligar os sensores ao nível da estabilidade e da potência. Uma opção que só deve ser escolhida e experimentada por quem sabe conduzir muito bem. Para os condutores ditos normais, nem pensar em desligar sensores perante uma máquina que vai dos 0 aos 100 km/h em 7,9 segundos e que atinge uma velocidade de ponta de 233 km/h, de acordo com a ficha técnica.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mãe de quatro filhos, leitora compulsiva e “bem disposta”. Conheça a presidente do CFP

Nova presidente do Conselho Superior do Conselho das Finanças Públicas (CFP) falou ao Jornal Económico sobre os desafios à frente do organismo, como conciliou a carreira e a maternidade e os seus principais ‘hobbies’.

Negócios: As guerras do ouro no mundo empresarial

A Barrick Gold decidiu avançar com uma oferta de compra hostil sobre a rival Newmont. A oferta é de 15,6 mil milhões de euros. Depois deste negócio reacendeu-se o interesse pelo metal precioso e a especulação sobre qual poderia ser a próxima transação a tomar conta do setor. Apesar da queda no último trimestre de 2018, a procura deste metal preciosotem vindo a aumentar.

Queiroz Pereira: A nova vida do maior grupo industrial português

Pedro Queiroz Pereira, falecido em agosto do ano passado, ficou para a História como um empresário audacioso, pragmático e visionário. O império que deixou às três filhas fatura mais de dois mil milhões de euros por ano e serão vários os interessados em ‘joias da coroa’ como a Navigator, a Secil e o Hotel Ritz. Mas a família pretende manter os ativos e a estratégia passa por continuar a crescer e a valorizar o património familiar, incluindo por via de aquisições. O grupo deverá, parajá continuar nas mãos do clã, com o apoio de gestores da ‘escola’ McKinsey.
Comentários