‘Guerra comercial’ afeta setor tecnológico e arrasta Wall Street

Conflito comercial entre EUA e China está a afetar o setor tecnológico e os outros índices foram arrastados para o ‘vermelho’.

Reuters

A última sessão da semana em Wall Street foi marcada pela pressão do setor tecnológico que levou com os três principais índices fechassem a negociação em perda.

O Dow Jones terminou a semana a perder 0,07% para 26.089,61 pontos, o Standard & Poor’s 500 perdeu 0,16% para 2.886,98 pontos mas o o maior perdedor da sessão foi o tecnológico Nasdaq Composite, com uma quebra de 0,52% para 7.796,66 pontos.

A empresa de software para infraestruturas e semicondutores Broadcom cortou as projeções anuais e castigou o setor desde o início da manhã. Segundo os analistas do Millennium bcp, o corte no outlook reflete as incertezas em torno do impacto da guerra comercial e afetam, assim, multinacionais também da Europa, como por exemplo a Infineon, a STMicro, a ASML ou a Dialog.

“A Broadcom está definitivamente a marcar os mercados e isso pode levar outros chips a cair também. Parte disso deve-se também à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e a guerra em torno da Huawei”, argumentou, em declarações à “Reuters”, Kim Forrest, diretor de investimentos da Bokeh Capital Partners.

Em termos macroeconómicos, destaque para a divulgação dos últimos dados das vendas a retalho e da produção industrial em maio, tanto nos Estados Unidos da América como na China. A segunda maior economia do mundo sobressaiu por ter registado um crescimento da produção industrial ter desacelerado para mínimos de 17 anos.

“Apesar de Donald Trump se ter mostrado otimista quanto a um acordo com a China, voltou a alertar que caso não haja acordo serão aplicados 325 mil milhões dólares [aproximadamente 289 mil milhões de euros] de tarifas a bens importados chineses”, refere o trader Ramiro Loureiro, em research de mercado.

Ler mais
Recomendadas

Depois das praças europeias, Brexit penaliza Wall Street

O Goldman Sachs aumentou a sua estimativa quanto à probabilidade de o Brexit vir mesmo a acontecer, atribuindo agora 65% de hipóteses para que o divórcio entre a União Europeia e o Reino Unido ocorra no dia 31 de outubro.

Brexit assusta bolsas europeias e PSI 20 perde 0,73%

Voto no Parlamento britânico sobre o acordo do Brexit negociado esta semana com a União Europeia causou algum desconforto para os investidores. No PSI 20, a Mota Engil e o BCP lideraram as perdas numa sessão em que 13 cotadas encerram em queda.

Wall Street abre a negociar flat

A penalizar Wall Street está nomeadamente o anúncio da Johnson & Johnson, após a empresa norte-americana anunciar que terá de retirar do mercado um lote de produto. Por outro lado, resultados da Coca-Cola, Intuitive Surgical e American Express2 animam as praças norte-americanas.
Comentários