Guerra comercial inflaciona preço das maçãs na China

O preço de meio quilo de maçãs aumentou quase 30% num espaço de um mês e meio. O Ministério do Comércio chinês garante que o aumento dos preços da fruta é apenas temporário.

O preço das maçãs na China subiu quase 30% desde o inicio do mês de junho. Este é apenas mais um exemplo do aumento de preços no setor alimentar devido à guerra comercial com os Estados Unidos, revela o canal televisivo “CNBC”, esta quinta-feira.

Segundo a plataforma de e-commerce chinesa Dada-JD Daojia, as vendas de fruta naquele país estão em queda. No final do mês de abril, meio quilo de maçãs custava cerca de 11.81 yuan (1,50 euros). Agora o preço aumentou, situando-se nos 15,19 yuans (1,93 euros).

Como resultado desta subida, entre abril e o início de junho, as vendas de maçãs no site caíram 5,7% em relação ao mesmo período do ano passado. A “CNBC” informa também que o ministério do comércio da China já emitiu um comunicado que garante que este aumento nos preços será apenas temporário.

De acordo com os dados do governo de Xi Jinping, divulgados esta quarta-feira, o índice de preços ao consumidor subiu em maio 2,7%, o maior aumento em mais de um ano, impulsionado pelo acréscimo de 18,2% nos preços da carne e de 26,7% nos preços da fruta.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, entre abril e maio, devido à neve, chuva forte e granizo, as plantações de maçã nas principais províncias produtoras chinesas ficaram altamente danificadas resultando numa queda na produção deste fruto de 25%, o valor mais baixo em nove anos, segundo o relatório da agência.

Recomendadas

Oficial: Benfica analisa proposta de 126 milhões por João Félix do Atlético de Madrid

Segundo a SAD benfiquista, o “valor proposto acima da cláusula de rescisão contempla o custo financeiro indexado ao pagamento a prestações previsto nesta proposta”. O jovem avançado do Benfica tem uma cláusula de 120 milhões de euros.

Aprovada entrega da casa aos bancos para saldar dívida no crédito à habitação

“É admitida a dação em cumprimento da dívida, extinguindo as obrigações do devedor independentemente do valor atribuído ao imóvel para esse efeito, desde que tal esteja contratualmente estabelecido, cabendo à instituição de crédito prestar essa informação antes da celebração do contrato”, lê-se na proposta do PS, que consta do projeto para a Lei de Bases da Habitação.

Aprovada entrega da casa aos bancos para saldar dívida no crédito à habitação

A proposta do PS para que seja admitida a entrega da casa às instituições bancárias para extinguir a dívida no crédito à habitação foi hoje aprovada, com o apoio de PSD, PCP e BE e a abstenção de CDS-PP.
Comentários