Guterres reitera apelo à calma no Irão e pede respeito pelo direito de manifestação

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu hoje que “a violência seja evitada” no Irão, exortando as autoridades de Teerão a respeitarem o direito de manifestação e a liberdade de expressão do povo iraniano.

Rafael Marchante/Reuters

Em declarações aos jornalistas, um porta-voz das Nações Unidas, Farhan Aziz Haq, afirmou que António Guterres – que já se tinha pronunciado na terça-feira sobre a atual situação no território iraniano – está “preocupado com os últimos desenvolvimentos no Irão” e exorta as autoridades de Teerão “a respeitarem o direito de manifestação pacífica e a liberdade de expressão”.

O secretário-geral da ONU “lamenta a perda de vidas em manifestações”, disse Farhan Aziz Haq, repetindo as palavras proferidas na terça-feira em representação de António Guterres, também em declarações à comunicação social.

O Irão é palco desde o passado dia 28 de dezembro de grandes manifestações contra a má situação económica do país e o regime dos ‘ayatollahs’.

Os protestos, iniciados em Machhad (nordeste do Irão) e que rapidamente se propagaram a outros pontos do país, já levaram à morte de pelo menos 21 pessoas e à detenção de centenas de pessoas.

Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários