Há 10 anos que não se criavam tantas empresas em Portugal

Em janeiro foram criadas 6.195 novas empresas, representando um aumento de 15,2% face ao igual período do ano anterior. Serviços, construção e transportes foram os responsáveis pela criação de novas empresas.

O primeiro mês de 2019 foi propicio à criação de empresas. Só em janeiro foram criadas 6.195 novas empresas em Portugal, o que representa o maior número de nascimentos de empresas num único mês nos últimos 10 anos, garante o barómetro do Informa D&B.

Apesar de janeiro ser o mês em que habitualmente são criadas mais empresas, este valor representa um crescimento de 15,2% face ao que foi registado em janeiro de 2018, O ano de 2018 já tinha estabelecido um máximo anual de constituições de empresas, com 45.834 novas organizações, um crescimento de 11,9% em relação a 2017. Os setores dos Serviços, da Construção e dos Transportes foram os principais responsáveis pelo aumento no número de novas empresas.

Após vários meses a registar um significativo aumento, em janeiro de 2019 os encerramentos mantiveram-se em valores semelhantes aos do período homólogo, registando apenas mais 0,6% de empresas a fechar portas. As insolvências mostraram um contínuo decréscimo, com o mês de janeiro a registar apenas 179 novas insolvências, menos 25,1% que no mesmo período de 2018.

Em janeiro de 2019 foram criadas 822 novas empresas de construção, um crescimento de 46,3% relativamente a janeiro de 2018. O setor da construção é o que mostra uma maior recuperação, sendo que terminou 2018 com 4.264 empresas, representando um crescimento superior a 20% face a 2017.

Este setor estava em queda acentuada desde 2008, quando o número de constituição de novas empresas reduziu de forma drástica, enquanto os encerramentos e insolvências aumentavam neste setor. No ano de 2012, os encerramentos de empresas de construção (2.549) superaram o nascimento de empresas deste tipo (2.448).

Ainda assim, desde 2012 que existe uma recuperação deste setor de atividade, e em janeiro de 2019 todos os subsetores da construção revelam um crescimento acentuado na criação de novas empresas. No entanto, o crescimento foi ainda mais acentuada nas “atividades especializadas” onde se inserem a instalação elétrica, estucagem, canalização e empresas vidraceiras. Este aumento na criação destas empresas pode ser explicado pela recuperação de habitações que tem sido realizado nos últimos anos, que advém do crescimento de alojamento turístico.

Em 2018, os serviços continuaram a registar o melhor valor de crescimento, com o nascimento de 14.521 empresas. A atividade imobiliária, com o boom turístico que continua a acontecer em Portugal, registou 5.264 novas empresas, enquanto o alojamento e restauração teve 5.183 novos nascimentos. O retalho é, também, onde crescem mais empresas, tanto que se registaram 5.237 criações neste setor.

Apesar de estar à frente no crescimento, os serviços lideraram ainda os encerramentos, com o fecho de 4.437 empresas, enquanto já encerraram 400 em janeiro do presente ano.

Ler mais
Recomendadas

Construção portuguesa faturou 10,8 mil milhões no estrangeiro

Reis Campos, presidente da AICCOPN, relembra a necessidade de criar uma associação única para o setor.

Mota-Engil prevê subida na faturação de 7,5% no primeiro semestre

A construtora encerrou o primeiro semestre deste ano com uma carteira de encomendas acima dos 5,2 mil milhões de euros, dos quais 75% fora da Europa.

Mota-Engil ganhou contratos de 175 milhões em Portugal no primeiro semestre

A empresa portuguesa já arrecadou este ano encomendas com um valor superior a 5,2 mil milhões de euros a nível mundial.
Comentários