‘Hackers’ russos e venezuelanos tiveram intervenção na crise catalã, estima governo espanhol

Interferência será discutida pelo executivo espanhol esta segunda-feira no Conselho Europeu de ministros dos Negócios Estrangeiros.

O Governo espanhol estima que tenha existido intervenção de ‘hackers’ procedentes da Rússia e Venezuela na crise da Catalunha e vai expor esta preocupação no Conselho Europeu de ministros dos Negócios Estrangeiros, que terá lugar esta segunda-feira.

“Este é um tema grave, onde a democracia tem que enfrentar os desafios das novas tecnologias”, realçou o porta-voz do Governo após a reunião do Conselho de Ministros. “Este é um tema que estará na ordem do dia do próximo conselho de assuntos exteriores, na próxima segunda-feira em Bruxelas, onde o ministro dos Negócios Estrangeiros irá intervir nesta matéria”, anunciou o porta-voz.

“Acreditamos que a Europa tem que levar a sério este tema. Não é possível que forças estranhas, que não sabemos quem são, queiram alterar essa ordem constitucional”, argumentou.

Relacionadas

UE queixa-se de que a Rússia está a imiscuir-se na questão catalã

Grupo de especialistas sob a alçada de Federica Mogherini anda ‘à caça’ de notícias falsas patrocinadas pelos russos. Os exemplos avançados, alguns retirados do Facebook, são, dizem os críticos, puros disparates.
Recomendadas

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

Presidente do Banco de Itália alerta para o impacto do défice mais alto sobre a dívida

Qualquer aumento nos gastos do défice que não ajude a impulsionar o crescimento econmico estrutural poderá colocar a dívida da Itália “num rumo insustentável” referiu Ignazio Visco.
Comentários