Hecatombe das tecnológicas arrasa bolsas europeias. PSI 20 em mínimos

Os principais índices fecharam em terreno negativo, num dia afectado pela hecatombe das empresas do setor tecnológico. O índice FAANG (Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Alphabet – dona da Google) cai 3,39% e com isso está a arrastar as bolsas.

Stringer/Reuters

A bolsa portuguesa fechou em mínimos de ano e meio, depois de perder 1,5% nesta sessão para 4.829,96 pontos. O PSI 20 foi arrastado pela queda das bolsas europeias.

A queda das ações da Apple, perante as notas de que cortou planos de produção dos novos iPhones despoletou o sentimento vendedor, arrastando as FAANG (Facebook, Apple, Amazon, Netflix and Google) para perdas médias de 4% nas bolsas nova-iorquinas na sessão de ontem.

Em Lisboa, todas as 18 cotadas do índice desvalorizaram na sessão, com a Mota-Engil a desvalorizar 5,26% para 1,512 euros;  a NOS desceu 3,43% para 4,930 euros; a Altri deslizou 2,58% para 6,810 euros; o BCP caiu 2,34% para fechar nos 0,2422 euros. Depois temos a queda de 2,25% da Navigator (3,830 euros); da Semapa (-1,90% para 14,480 euros); dos CTT (-2,08% para 3,292 euros); da EDP Renováveis (-2,02% para 7,500 euros); da Corticeira Amorim (-1,83% para 9,10 euros), só para citar as maiores quedas.

O BCP foi contagiado pelas perdas entre 2% e 5% nas ações da banca italiana, afectadas pela subida das yields da dívida italiana (+2,00 pontos base para 3,617%). Ainda a questão do orçamento de Itália e das tensões com Bruxelas.

Na Europa o EuroStoxx 50 desceu 1,4% para 3.116,7 pontos. FTSE 100 cai 0,76% para 6.947,9 pontos; o CAC 40 desceu 1,21% para 4.924,9 pontos; o Dax deslizou 1,58% para 11.066,4 pontos; o Ibex perdeu 1,55% para 8.866,5 pontos e o FTSE MIB de Milão caiu 1,87% para 18.471,4 pontos.

A bolsa da Grécia lidera as quedas na Europa ao descer 3,91%.

As taxas de juro implícitas nas dívidas soberanas seguem em queda. As bunds a 10 anos recuam 2,3 pontos base para 0,35%, enquanto a taxa associada à dívida a 10 anos de Portugal está a descer 0,2 pontos para 1,984%, o que está a alargar o prémio de risco da dívida nacional para mais de 160 pontos base.

A dívida espanhola cai 0,3 pontos base para uma yield de 1,647%.

O petróleo está em queda acentuada nos mercados. Os futuros do Brent em Londres deslizam 5,03% para 63,43 dólares o barril e o crude WTI caiu 5,02% para 54,33 dólares.

O euro cai face ao dólar 0,6% para 1,1385 dólares.

(atualizada)

 

Ler mais
Recomendadas

Moody’s melhora perspetiva de evolução de Moçambique de negativa para estável

Agência de notação justificou a reestruturação dos títulos de dívida pública, atualmente em negociações, vá impor perdas financeiras aos credores.

Moeda angolana encerra semana estável face a euro e dólar

Divisa angolana tem-se mantido relativamente estável há cerca de dois meses, oscilando entre os 353 e os 359 kwanzas.

Moody’s mantém notação da dívida portuguesa

A agência de notação, que foi a última a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, manteve inalterado o ‘rating’ em Baa3 e a perspetiva estável, não publicando nenhum relatório.
Comentários