Horários de trabalho da Função Pública portuguesa são dos mais curtos da Europa

Já os períodos normais de trabalho no setor privado por negociação coletiva estão entre os mais longos no continente europeu, com uma média de 39,4 horas semanais, face às 35 horas da Função Pública.

Os horários normais de trabalho da Função Pública portuguesa encontram-se entre os mais curtos da Europa, de acordo com os dados publicados na última semana pela Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho (Eurofound) e que são divulgados pela edição do “Negócios” desta quinta-feira.

O relatório “Working Time in 2017-2018” indica que em sentido oposto está o setor privado onde a média de horas de trabalho semanais está nas 39,4 horas por negociação coletiva, enquanto a média europeia se situa nas 38 horas.

Estes dados baseiam-se na evolução dos contratos coletivos que englobam 721 mil trabalhadores. Olhando para o número de feriados (superior à média europeia) e de férias (inferior), Portugal ocupa o 17º lugar na estimativa de tempo normal de trabalho anual negociado  no setor privado, num conjunto de 29 países.

Por sua vez, a média da Função Pública em Portugal encontra-se nas 35,6 horas, ligeiramente abaixo da média da União Europeia (UE) que está nas 37,6 horas. A França continua a ser o país da UE onde o horário normal é mais curto, com 35 horas. A Dinamarca, a Holanda, a Suécia e o Reino Unido também registam médias baixas, ao contrário da Finlândia que saiu deste ranking, depois de em 2017 ter aumentado em meia hora o horário semanal.

Recomendadas

Estudantes europeus rumam a Setúbal para encontrar soluções de ‘smart tourism’

A 14.ª edição da Business Week’o é dedicada ao conceito de ‘smart tourism’ e o programa de trabalho volta a apostar num contacto direto dos participantes europeus com a cidade que os acolhe,

PremiumVinhos: vendas da região de Lisboa crescem 20% até ao final de setembro

Desde o início do ano até ao final de setembro já foram vendidas cerca de 43 milhões de garrafas, ou seja, 32,250 milhões de litros. Francisco Toscano Rico, presidente da CVR Lisboa, explica que os mercados absorvem cerca de 77% desta produção.

Cerca de 49 mil empresas no mundo utilizam as IFRS

Mais de 33% das operações financeiras são transfronteiriças e as IFRS têm contribuído para a redução do custo de financiamento das empresas e para identificação de novas oportunidades de investimento.
Comentários