Horizonte 2020: Universidade de Coimbra foi a instituição de ensino superior que recebeu mais financiamento em Portugal

Instituição de Coimbra recebeu um total de 31,6 milhões de euros. No total, o programa financiou 2.836 projetos de investigação e inovação no nosso país, no montante de 818 milhões de euros.

Universidade de Coimbra

Até janeiro deste ano, as instituições portuguesas receberam 818 milhões de euros do Horizonte 2020, o Programa-Quadro comunitário que apoia a investigação e inovação na União Europeia. No total, o programa, que cobre o período 2014-2020 e cujo orçamento é de 77 mil milhões de euros, financiou 2.836 projetos no nosso país.

A Universidade de Coimbra revela, em comunicado, ter sido a instituição de ensino superior com mais financiamento: 31,6 milhões de euros, repartidos por 62 projetos. Seguem-se o Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes e a Universidade do Minho.

O Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento, lançado em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, é o projeto da Universidade de Coimbra que mais financiamento conseguiu: 13,2 milhões de euros. Destaque também para os projetos ERA@UC, na área da investigação do envelhecimento cardiovascular, com 2,5 milhões de euros, e ContentMAP, de estudo do mapeamento do cérebro, com 1,8 milhões de euros.

“São exemplos claros da capacidade dos nossos investigadores, encontrando-se a par dos melhores a nível internacional. Depois de demonstrarmos que somos capazes de liderar no número de pedidos de patente a nível nacional, confirmamos agora a excelência da produção de conhecimento na UC”, salienta o Reitor Amílcar Falcão, no documento.

De referir que os 31,6 milhões de euros obtidos pela Universidade de Coimbra não incluem o financiamento conseguido pelos centros de investigação associados da Universidade, como o Centro de Estudos Sociais e o Centro de Neurociências e Biologia Celular.

Recomendadas

PremiumPedro Santa Clara abre escola digital de vanguarda

Na escola 42, não há professores, nem avaliação, mas as aulas são presenciais. Os alunos não pagam. O primeiro curso arranca em fevereiro de 2021 e as candidaturas já estão abertas. O Jornal Económico foi conhecê-la.

Ensino Superior destina 7% das vagas para emigrantes e familiares

O concurso nacional de acesso ao ensino superior, cuja primeira fase arranca a 7 de agosto, tem 3.599 vagas para emigrantes, disponibilizadas por 107 instituições em cerca de 5.000 cursos.

CDS-PP pede explicações ao Governo sobre abandono escolar: “Vai seguir as recomendações do Tribunal de Contas?”

O Tribunal de Contas diz que não é possível conhecer os reais números do abandono escolar em Portugal, devido a fragilidades no sistema de recolha de dados e de monitorização, lacunas que aconselha a resolver. A deputada Ana Rita Bessa quer ministro Brandão Rodrigues no Parlamento.
Comentários