Hotelaria: crescimento das receitas mais do que triplicou em maio

As receitas totais atingiram 344,7 milhões de euros, aponta o Instituto Nacional de Estatística. As receitas por quarto cresceram 10,4%.

Ler mais

O ritmo de crescimento homólogo das receitas da hotelaria portuguesa mais do que triplicou em maio de 2018, face a abril, passando de 2,5% para 9,1%, puxado pelo aumento do número de hóspedes e de dormidas, mostram os dados divulgados pelo INE, esta sexta-feira, 13 de julho.

As receitas totais atingiram 344,7 milhões de euros, aponta o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O número de hóspedes aumentou 3,5%, para 2 milhões, em maio, quando em abril o movimento tinha sido contrário, com uma quebra de 5,2%. O número de dormidas subiu 1,1%, para 5,4 milhões, quando no mês precedente tinha caído 8,3%.

 

A taxa líquida de ocupação-cama caiu 0,4 pontos percentuais, para 54,7%, mas as receitas por quarto cresceram 10,4%.

Sobre as dormidas de residentes, o INE detalha que cresceram 5,4% enquanto as dos não residentes apresentaram uma ligeira diminuição de 0,2%, e no que concerne à estada média, que se situa em 2,67 noites, traduz uma redução de 2,4%, redução esta que foi de 1,5% no caso dos residentes e 2,0% nos não residentes.

Mercado norte-americano em destaque

Em maio, destacaram-se os crescimentos nos mercados norte-americano, com registo de um aumento de 18,3%, e do brasileiro que cresceu 10,0%. Nos primeiros cinco meses do ano, o realce vai igualmente para os mesmos mercados, com subidas de 20,5% e 12,6%, respetivamente) e ainda para o canadiano, ao atingir um aumento de 12,7%.

Entre os quinze principais mercados emissores, que representam 87,3% das dormidas de não residentes, o mercado britânico (22,7% do total das dormidas de não residentes) recuou 9,0% em maio, sendo que, nos primeiros cinco meses do ano, este mercado apresentou uma diminuição de 7,4%.

As dormidas de hóspedes alemães (14,1% do total) aumentaram 4,8% em maio, e desde o início do ano, este mercado revelou um ligeiro decréscimo de 0,5%, já o mercado francês (11,9% do total) cresceu 1,1% em maio, enquanto no período entre janeiro e maio, este mercado apresentou um aumento de 2,4%.

Sobre as dormidas de hóspedes residentes em Espanha (6,0% do total) registou-se um acréscimo de 5,7% em maio e um ligeiro decréscimo desde o início do ano, na ordem dos 0,3%.

 

 

Relacionadas

Ocupação hoteleira caiu no primeiro quadrimestre, mas preço médio dos quartos continuou a subir

Por destinos turísticos, a Madeira registou as taxas de ocupação mais elevadas (76%), seguindo-se Lisboa (73%) e o Porto (64%). Em termos de variação, destaque para o crescimento verificado em Viseu (mais 5,7 pontos percentuais), Beiras (mais 4,5 pontos) e Alentejo (mais 3,7 pontos).

Hotelaria: Páscoa “pesa” no abrandamento registado desde o início do ano

Os receitas abrandaram para um crescimento de 2,0%, o que corresponde a um aumento de 17,5% face ao mês precedente, tendo atingido 276,7 milhões de euros.
Recomendadas

STCP vai fechar o ano com 50 autocarros novos

Estes autocarros fazem parte de um pacote de renovação da frota da empresa que passou pela aquisição, em curso, de um total de 188 autocarros, que irão entrar todos em funcionamento até meados de 2020, num investimento previsto de cerca de 92 milhões de euros.

Primark estende programa de algodão sustentável ao Paquistão

Segundo esta cadeia, 4,4 milhões de pijamas de algodão da Primark fabricados com algodão de origem sustentável foram vendidos no primeiro ano desta iniciativa.

“Crescimento da Mercadona virá de Portugal”, assume presidente do grupo

O líder da distribuição em Espanha está a atingir o limite máximo de lojas no país vizinho e optou por Portugal para ser a primeira experiência de internacionalização e para continuar a expandir-se.
Comentários