‘Humanidade está em perigo’: 15 mil cientistas alertam para perda ‘irreparável’

Um novo aviso para os perigos catastróficos que estão a ameaçar a Humanidade foi lançado por 15 mil cientistas de 184 países de todo o mundo.

Ler mais

A mensagem, a que o jornal Independent dá eco, recorda e amplia uma outra mensagem assinada há 25 anos por 1700 cientistas, congregados na União dos Cientistas Preocupados, atualizando os prejuízos e danos feitos à Humanidade no último quarto de século.

Segundo os especialistas, estamos muito piores hoje, dado que praticamente todos os problemas identificados na altura não pararam de crescer e de se avolumar.

Se, por um lado, o planeta continua a enfrentar o consumo exponencial de recursos limitados, devido ao crescimento populacional, pelo outro lado, cientistas e fazedores de opinião não fazem o suficiente para travar essa dinâmica.

Se o mundo não agir rapidamente, haverá uma perda irreparável em termos da biodiversidade e em consequência o aumento da miséria humana, alertam os cientistas.

No último quarto de século, da generalidade dos problemas identificados, somente o buraco na camada de ozono conheceu uma evolução positiva, um exemplo, que os cientistas exortam a que seja seguido noutros tópicos problemáticos.

 

Recomendadas

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Sismo de 2,7 na escala de Richter sentido na Terceira

De acordo com o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, o ‘abanão’ foi “sentido em Angra do Heroísmo” e o CIVISA “continua a acompanhar o evoluir da situação, emitindo novos comunicados caso necessário”.

Bruxelas investiga BMW, Daimler e grupo VW por suspeitas de cartel

O cartel “pode ter negado aos consumidores a oportunidade de comprar carros menos poluentes, apesar de a tecnologia estar disponível para os fabricantes”, segundo a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager.
Comentários