Húngaros admitem justeza da decisão da União Europeia

Uma sondagem feita na Hungria aponta para que a população entende porque é que a União Europeia está a ameaçar o país com a imposição de restrições aos seus direitos comunitários.

Uma sondagem da Euronews Pulzus, feita a 800 húngaros de ambos os géneros, dos 18 aos 49 anos de idade, com base na pergunta ‘A decisão de Estrasburgo de aplicar o Artigo 7º, um processo punitivo contra um Estado-membro, foi justa?’, revela que o país está ciente da justeza da decisão comum que se encontra em desenvolvimento.

À pergunta, 56,4% dos húngaros inquiridos responderam que a Hungria recebeu a aplicação do Artigo 7º de forma justa, 23% não concordam e 19,9% não têm opinião sobre o assunto.

Durante a sondagem foi ainda colocada a questão sobre se ‘As resoluções condenam as políticas do governo húngaro ou a Hungria como um todo?’. A maior parte dos inquiridos, cerca de 53%, considera que a decisão do Parlamento Europeu condena apenas o governo de Orbán e 12% acredita que este primeiro passo para um possível castigo atinge todo o país.

A sondagem surge apenas como um indicador, dado que, segundo os especialistas, é precisamente nas faixas etárias mais envelhecidas que o governo de extrema-direita de Viktor Orbán encontra parte substancial da sua base de apoio – nomeadamente junto das populações envelhecidas das zonas rurais, que votaram maioritariamente no partido que se encontra no pode, conferindo-lhe uma maioria absoluta nas eleições realizadas no princípio de abril passado.

Os analistas, contudo, parecem estranhar mais as respostas obtidas à segunda pergunta. As sanções que podem vir a ser impostas ao país irão por certo afetar diretamente a população húngara, uma vez que o governo do país terá maior dificuldade – se a ameaça do artigo 7º se concretizar – em impor a sua vontade junto dos restantes Estados-membros da União Europeia e em aceder aos benefícios do agregado.

Entretanto, Orbán não dá mostras de estar a considerar fazer concessões em relação à vontade de Bruxelas e de Estrasburgo. Internamente, segundo os meios de comunicação do país, o primeiro-ministro tem apresentado a questão como uma espécie de perseguição europeia à vontade nacional, insistindo que aquilo que separa a Hungria da Comissão Europeia (fundamentalmente a questão dos imigrantes e refugiados) é uma questão interna que não pode ser gerida a partir de Bruxelas.

A Comissão Europeia tem uma opinião precisamente contrária: a questão dos imigrantes e refugiados é pan-nacional e, nessa medida, a recusa húngara de acatar as decisões de Bruxelas configuram um revés na imagem institucional externa da própria União. Foi por isso, aliás, que a União decidiu implementar os mecanismos que podem acabar – mesmo que haja muitas dúvidas sobre isso – na imposição das sanções previstas no artigo 7º do Tratado de Lisboa.

Ler mais
Recomendadas

Idai: Ainda há sete portugueses por localizar na cidade da Beira

Secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, admite que estas pessoas não tenham meios de contacto permanente, como telemóveis.

Brexit: Partido da Irlanda do Norte prefere ‘no deal’ a acordo com Bruxelas

“Não vamos deixar a primeira-ministra ou o grupo de ‘remainers’ [favoráveis à manutenção na União Europeia] forçar-nos a apoiar um acordo de ‘Brexit’ tóxico”, afirmou o deputado do DUP responsável pelo ‘Brexit’, Sammy Wilson, numa declaração publicada na rede social Twitter.

Cidadãos da União Europeia à espera da lei que os coloca a salvo do Brexit

Relatório de uma comissão conjunta dos Comuns e dos Lordes enfatiza que o governo britânico tem de legislar para promover a proteção dos cidadãos europeus que vivem no Reino Unido.
Comentários