Húngaros e polacos entre os europeus menos favoráveis ao resgate de refugiados

O estudo realizado pelo centro norte-americano, Pew Research Center, revela que 80% dos europeus apoia o resgate aos refugiados. A Hungria e a Polónia ocupam o fim da lista.

Brendan McDermid/REUTERS

Num estudo conduzido pelo Pew Research Center (um centro de recolha de dados norte-americano), revelou que mais de 80% dos adultos em Espanha, na Holanda, na Alemanha e na Suécia são favoráveis ao resgate de refugiados, que fogem da guerra e da violência. O estudo foi realizado entre os meses de maio e julho deste ano e contou com a participação de 10 estados membros da União Europeia, cita a Reuters.

A maioria dos europeus apoia o acolhimento dos refugiados, embora muitos desaprovem a forma como a UE tem lidado com o fluxo recorde de migrantes que atingiu um pico de 1.3 milhões de refugiados em 2015, de acordo com a pesquisa do centro norte-americano.

Relativamente ao estudo, 70% dos franceses e dos ingleses também apoia esta causa e mesmo na Grécia e na Itália, os principais pontos de entrada dos migrantes na Europa, a pesquisa mostrou que a maioria dos entrevistados ainda prefere aceitar os refugiados.

O país europeu com a menor aceitação foi a Hungria, com 32%, e em segundo a Polónia, com 49%.

Numa época em que a raiva pela migração alimentou o crescimento dos partidos eurocêntricos e anti-imigrantes em toda a Europa, a pesquisa revelou dados que, para a maioria, são considerados positivos.

A pesquisa também mostrou que muitos europeus criticam a forma como a União Europeia lidou com o fenómeno. Cerca de 92% dos gregos, 78% dos italianos e 66% dos alemães e britânicos expressaram sua desaprovação em relação ao tratamento dado pela UE à questão.

Fora da Europa, México, Canadá e Austrália, todos apresentaram altas taxas de aceitação de refugiados de mais de 70%, enquanto os Estados Unidos e o Japão ficaram em 66%.

Ler mais
Relacionadas

Entrada de milhares de “migrantes não-europeus” levou a um “aumento da violência”, diz embaixador da Áustria em Lisboa

Robert Zischg foi hoje ouvido na comissão de Assuntos Europeus da Assembleia da República sobre as prioridades da presidência austríaca da União Europeia, que se iniciou a 1 de julho, com o lema “Uma Europa que se protege” e que definiu como um dos principais desafios “combater a imigração ilegal”.

Orbán violou Estado de direito da Hungria? Parlamento Europeu debate início de processo disciplinar

Uma comissão de eurodeputados defende que há “um risco manifesto de violação grave dos valores europeus” e ameaça aplicar a sanção máxima prevista no artigo 7.º do Tratado da União Europeia (UE).

Nova Zelândia vai aumentar quota anual de refugiados a partir de 2020

A primeira ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou esta quarta-feira que o país vai aumentar a quota anual de refugiados a partir de julho de 2020, de 1.000 para 1.500, e expandir os locais de acolhimento.
Recomendadas

Reino Unido admite período de transição mais longo após-Brexit

“Uma ideia que surgiu – e neste momento é uma ideia – foi criar uma opção para estender o período de implementação por alguns meses. Seria apenas uma questão de uns meses”, afirmou a governante aos jornalistas presentes na cimeira de líderes europeus, que está a decorrer em Bruxelas.

Polícia turca termina buscas à residência do cônsul saudita em Istambul

A autorização de Riade para que pudessem ser efetuadas buscas na residência do diplomata só foi emitida na noite de terça-feira.

Reino Unido e Interpol criam plataforma para combater predadores sexuais

“A nossa mensagem para os predadores sexuais que usam este setor para cometer os seus crimes é: “acabou”, disse a ministra britânica do Desenvolvimento Internacional, Penny Mordaunt.
Comentários