Icónica “Fortune” vai ser vendida por 132 milhões a empresário tailandês

Chatchaval Jiaravanon, detentor do Fortune Media Group Holdings Limited, chegou a acordo com o grupo Meredith para comprar a influente revista criada há 88 nos EUA. O empresário aposta “na tecnologia e no jornalismo de qualidade” para tornar a “Fortune” relevante no mundo.

O conglomerado de media norte-americano Meredith anunciou, esta sexta-feira, ter fechado a acordo com o Fortune Media Group Holdings Limited, do tailandês Chatchaval Jiaravanon para venda da icónica “Fortune” por 150 milhões de dólares, o equivalente a 132 milhões de euros.

A transação terá agora de ser aprovada pelas entidades reguladoras, mas, segundo o vendedor, deverá estar concluída até ao final de 2018.

Segundo o jornal norte-americano “The Wall Street Journal”, Chatchaval Jiaravanon investe na “Fortune” a título pessoal, tendo avançado, em comunicado conjunto com o grupo Meredith, a sua intenção de apostar na digitalização da revista e na sua expansão geográfica.

 

A “Fortune” foi criada durante o período da Grande Depressão nos Estados Unidos e continua a ter grande influência entre a elite mundial da economia e dos negócios, mas Chatchaval Jiaravanon quer mais.

“Queremos fazer da ‘Fortune’ uma marca líder dos media mundiais, com alcance permanente e relevância global”, afirma no comunicado, justificando com o facto da procura “pela informação financeira de qualidade estar a crescer”.

Com um compromisso entre o investimento tecnológico e um jornalismo de qualidade, acreditamos que o retorno será excelente, salientou o empresário.

Ler mais
Recomendadas

Maioria dos comerciantes europeus desconhece padrões de pagamento que chegam em setembro

Um estudo da Mastercard, realizado entre setembro e novembro de 2018, concluiu que 75% dos comerciantes com lojas online não sabe o que é a SCA (Strong Costumer Authentication), obrigatória no âmbito da nova Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2).

Cinco bancos angolanos lucraram 42 milhões de euros até dezembro

Banco Comercial do Huambo (BCH) e Banco Comercial Angolano (BCA) registaram os maiores lucros.

Ryanair revê em baixa previsão de lucros

A empresa liderada por Michael O’Leary atribuiu a revisão em baixa das previsões às greves convocadas pelos trabalhadores em vários países europeus durante o último verão.
Comentários