Icónica “Fortune” vai ser vendida por 132 milhões a empresário tailandês

Chatchaval Jiaravanon, detentor do Fortune Media Group Holdings Limited, chegou a acordo com o grupo Meredith para comprar a influente revista criada há 88 nos EUA. O empresário aposta “na tecnologia e no jornalismo de qualidade” para tornar a “Fortune” relevante no mundo.

O conglomerado de media norte-americano Meredith anunciou, esta sexta-feira, ter fechado a acordo com o Fortune Media Group Holdings Limited, do tailandês Chatchaval Jiaravanon para venda da icónica “Fortune” por 150 milhões de dólares, o equivalente a 132 milhões de euros.

A transação terá agora de ser aprovada pelas entidades reguladoras, mas, segundo o vendedor, deverá estar concluída até ao final de 2018.

Segundo o jornal norte-americano “The Wall Street Journal”, Chatchaval Jiaravanon investe na “Fortune” a título pessoal, tendo avançado, em comunicado conjunto com o grupo Meredith, a sua intenção de apostar na digitalização da revista e na sua expansão geográfica.

 

A “Fortune” foi criada durante o período da Grande Depressão nos Estados Unidos e continua a ter grande influência entre a elite mundial da economia e dos negócios, mas Chatchaval Jiaravanon quer mais.

“Queremos fazer da ‘Fortune’ uma marca líder dos media mundiais, com alcance permanente e relevância global”, afirma no comunicado, justificando com o facto da procura “pela informação financeira de qualidade estar a crescer”.

Com um compromisso entre o investimento tecnológico e um jornalismo de qualidade, acreditamos que o retorno será excelente, salientou o empresário.

Ler mais
Recomendadas

Autoridade da Concorrência defende que Banco de Portugal venha a ser uma entidade financiadora

Há um aspeto positivo, diz, que é o do “o BdP vir a ser incluído nas entidades que financiam a AdC” e, defende, “outras entidades poderiam ser consideradas”. O administrador da Autoridade da Concorrência (AdC) Nuno Rocha de Carvalho, disse esta quinta-feira na COFMA que a “breve trecho podemos vir a ter uma decisão no  processo de cartel na banca”.

Antonoaldo Neves: “Não é a primeira vez que a TAP paga prémios em anos de prejuízo”

A comissão executiva da TAP esta quinta-feira ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos.

Prémios polémicos levam Comissão Executiva da TAP ao Parlamento. Assista ao debate

A comissão executiva da TAP está a ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos. O requerimento para ouvir a comissão executiva da transportadora aérea foi apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE), que classificou como “inaceitável” a decisão.
Comentários