Icónica “Fortune” vai ser vendida por 132 milhões a empresário tailandês

Chatchaval Jiaravanon, detentor do Fortune Media Group Holdings Limited, chegou a acordo com o grupo Meredith para comprar a influente revista criada há 88 nos EUA. O empresário aposta “na tecnologia e no jornalismo de qualidade” para tornar a “Fortune” relevante no mundo.

O conglomerado de media norte-americano Meredith anunciou, esta sexta-feira, ter fechado a acordo com o Fortune Media Group Holdings Limited, do tailandês Chatchaval Jiaravanon para venda da icónica “Fortune” por 150 milhões de dólares, o equivalente a 132 milhões de euros.

A transação terá agora de ser aprovada pelas entidades reguladoras, mas, segundo o vendedor, deverá estar concluída até ao final de 2018.

Segundo o jornal norte-americano “The Wall Street Journal”, Chatchaval Jiaravanon investe na “Fortune” a título pessoal, tendo avançado, em comunicado conjunto com o grupo Meredith, a sua intenção de apostar na digitalização da revista e na sua expansão geográfica.

 

A “Fortune” foi criada durante o período da Grande Depressão nos Estados Unidos e continua a ter grande influência entre a elite mundial da economia e dos negócios, mas Chatchaval Jiaravanon quer mais.

“Queremos fazer da ‘Fortune’ uma marca líder dos media mundiais, com alcance permanente e relevância global”, afirma no comunicado, justificando com o facto da procura “pela informação financeira de qualidade estar a crescer”.

Com um compromisso entre o investimento tecnológico e um jornalismo de qualidade, acreditamos que o retorno será excelente, salientou o empresário.

Ler mais
Recomendadas

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Grupo Sonae investiu 1,2 mil milhões em 2018

O grupo não está preocupado com a entrada da Mercadona no território nacional – “já enfrentámos franceses e alemães”. E, por outro lado, ainda não desistiu de todo do IPO que, em 2018, não conseguiu levar por diante com a Sonae MC.

Economia digital: faturação das PME portuguesas atingiu os 97 milhões de euros

Segundo um estudo da PayPal, a internet permite que as pequenas e médias empresas acedam a “mais de 4,1 mil milhões de clientes de todo o mundo”. Ficou comprovado que a faturação das pequenas empresas portuguesas, sustentadas na economia digital, aumentou mais de 19% entre 2016 e 2017, para mais de 97 milhões de euros.
Comentários