Identidade de ‘hacker’ do Benfica força PJ a pedir captura internacional

A Polícia Judiciária equaciona pedido de detenção internacional de pirata informático português que roubou ‘emails’ do Benfica, após a divulgação da sua identidade.

Kacper Pempel / Reuters

A divulgação da identidade do pirata informático que roubou segredos do Benfica vai obrigar a Polícia Judiciária (PJ) a alterar a estratégia de investigação e emitir um pedido de mandado de captura internacional, sabe o Jornal Económico (JE).

As autoridades policiais temem que o pirata informático Rui Pinto esteja em fuga, depois de a revista “Sábado” noticiar o seu nome e descrevê-lo como um “génio da informática mercenário” que age motivado por dinheiro, sem qualquer ligação a clubes. O JE sabe que a solicitação de captura externa deverá ocorrer nos próximos dias e que PJ continua, neste momento, a proceder a diligências sobre o caso.

Em causa está um inquérito do Ministério Público, a cargo da equipa especial para os crimes no futebol que funciona no DCIAP, que foi aberto em 2015 após uma queixa do Sporting na Justiça a 30 de setembro daquele ano, após a divulgação na internet do contrato do jogador Marcos Rojo e do treinador Jorge Jesus.

A esta queixa somaram-se, posteriormente, mais duas: uma da Doyen, um fundo de investimento no futebol e, uma semana depois, outra do Benfica já em 2017 sobre o furto de emails que revelou o relacionamento do clube da Luz com alguns árbitros e estruturas de poder do futebol português.

Recomendadas

Fez-se história na Premier League: pela primeira vez, futebol inglês vai ter uma CEO

Susanna Dinnage será o quarto CEO da liga mais valiosa do mundo e a primeira mulher a assumir o cargo. Deverá entrar em funções no início de 2019.

AG do Sporting vai discutir expulsão de sócio de Bruno de Carvalho em dezembro

Sporting Clube de Portugal convoca assembleia geral para discutir e votar a expulsão de Bruno de Carvalho de sócio.

Bruno de Carvalho castigado pela FPF com multa de 3 mil euros

Castigo de 30 dias a Bruno de Carvalho já não terá qualquer efeito, pelo facto deste já não presidir à instituição, mas foi ainda definida a condenação ao pagamento de uma multa de 3 mil euros.
Comentários