IGCP vai ao mercado na quarta-feira levantar 1.750 milhões de euros em BT

O IGCP anuncia dois leilões de dívida pública de curto prazo para 16 de janeiro de 2019.

D.R.

O IGCP vai realizar no próximo dia 16 de janeiro pelas 10:30 horas dois leilões das linhas de Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidades em 19 de julho de 2019 e 17 de janeiro de 2020, com um montante indicativo global entre 1.500 milhões e 1.750 milhões de euros.

A linha com maturidade de seis meses é uma reabertura de uma linha já existente enquanto que a 12 meses é um lançamento de uma nova linha.

Na última emissão de BT que ocorreu em 21 de novembro, Portugal colocou 1.000 milhões de euros, o que foi um montante inferior ao máximo anunciado, em Bilhetes do Tesouro a seis e 12 meses, mas com taxas de juro negativas e a descerem face aos anteriores leilões comparáveis. A 12 meses foram então colocados 650 milhões de euros em BT à taxa de juro média de -0,327%, de novo negativa e inferior à registada em 19 de setembro, quando foram colocados 1.000 milhões de euros a -0,270%.

A seis meses foram na altura colocados 350 milhões de euros em BT à taxa média de -0,369%, mais negativa do que a verificada em 19 de setembro, quando foram colocados 400 milhões de euros a -0,317%.

De acordo com o Plano de Financiamento da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), em 2019, “espera-se que o financiamento líquido resultante da emissão de BT resultará num impacto positivo de 600 milhões de euros”.

A instituição liderada por Cristina Casalinho diz que “será mantida a estratégia de emissão ao longo de toda a curva, combinando prazos curtos com prazos longos”.

“O IGCP manterá a realização de leilões mensais de BT na 3ª quarta-feira de cada mês e, se a procura de investidores o justificar, pode usar também a 1ª quarta-feira”, anunciou no inicio do ano a agência que gere a dívida pública.

No plano é ainda dito, relativamente aos BT que “o montante indicativo dos leilões continuará a ser anunciado ao mercado através de um intervalo”, sendo que a decisão de alocação a cada série caberá ao IGCP em função da procura verificada e do respetivo preço.

Ler mais
Recomendadas

Petróleo a caminho de acumular um aumento de quase 20% desde o início do ano

Depois de fechar 2018 em queda livre devido a receios de um excesso de oferta global e de uma desaceleração económica, os preços do petróleo nos EUA não param de subir desde início do ano. E atingiu o maior pico nos primeiros 13 dias úteis, desde janeiro de 2001, segundo dados compilados pela Bloomberg e citados pelo El Economista.

CMVM limita a venda do derivado CFD a investidores não profissionais

A CMVM segue a recomendação da ESMA e pôs um projeto de regulamento a consulta pública até 27 de fevereiro. Esta legislação surge porque segundo dados recolhidos em vários Estados-Membros há cerca de 74% a 89% dos investidores não profissionais que investem em CFDs perdem dinheiro. Sendo que em média, perdem entre 1.600 euros e 29.000 euros.

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.
Comentários