IHS Markit: crescimento económico da zona euro recua em novembro

O Índice de Gestores de Compras caiu de 53,1 pontos, em outubro, para 52,7 pontos, em novembro.

O crescimento económico na zona do euro registou o ritmo mais fraco em novembro, com a indústria a dar sinais de expansão para a indústria de serviços e a liderar a desaceleração, de acordo com os dados da IHS Markit para a zona euro, divulgados esta quarta-feira.

O Índice de Gestores de Compras (PMI) da IHS Markit, considerado um bom guia para a saúde económica, caiu de 53,1 pontos, em outubro, para 52,7 pontos, em novembro. Este é o menor nível desde setembro de 2016, embora tenha superado a estimativa preliminar de 52,4 pontos e supere a marca dos 50 pontos, que separa o crescimento da recessão.

“O PMI final da zona do euro para novembro ficou acima da expectativa, mas aponta ainda para um crescimento do PIB modesto, de aproximadamente 0,3% no quarto trimestre, sugerindo que a zona euro continua presa a um problema”, salientou o economista-chefe de negócios da IHS Markit, Chris Williamson.

O PMI de Serviços, por sua vez, caiu para níveis de 25 meses de 53,7 pontos para 53,4 pontos, graças ao crescimento mais lento de novos negócios.

Recomendadas

Governo e Sindicatos prosseguem negociação para a Função Pública no dia 20 de dezembro

Segurança e saúde no trabalho (SST); acidentes de trabalho e doenças profissionais; aposentação; Programa Qualifica AP; e negociação de projetos de diploma que alteram a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas estiveram hoje na agenda da reunião entre o Governo e as estruturas sindicais.

Estrasburgo: tiroteio em mercado de Natal faz um morto

Incidente ocorreu num mercado de Natal em Estrasburgo.

Centeno é a personalidade do ano para a Associação de Imprensa Estrangeira

“Os correspondentes estrangeiros atribuíram o prémio ao ministro das Finanças português, que se destacou na imprensa internacional depois da sua chegada no início do ano à presidência do Eurogrupo”, lê-se na nota da Associação de Imprensa Estrangeira em Portugal.
Comentários