IHS Markit: crescimento económico da zona euro recua em novembro

O Índice de Gestores de Compras caiu de 53,1 pontos, em outubro, para 52,7 pontos, em novembro.

O crescimento económico na zona do euro registou o ritmo mais fraco em novembro, com a indústria a dar sinais de expansão para a indústria de serviços e a liderar a desaceleração, de acordo com os dados da IHS Markit para a zona euro, divulgados esta quarta-feira.

O Índice de Gestores de Compras (PMI) da IHS Markit, considerado um bom guia para a saúde económica, caiu de 53,1 pontos, em outubro, para 52,7 pontos, em novembro. Este é o menor nível desde setembro de 2016, embora tenha superado a estimativa preliminar de 52,4 pontos e supere a marca dos 50 pontos, que separa o crescimento da recessão.

“O PMI final da zona do euro para novembro ficou acima da expectativa, mas aponta ainda para um crescimento do PIB modesto, de aproximadamente 0,3% no quarto trimestre, sugerindo que a zona euro continua presa a um problema”, salientou o economista-chefe de negócios da IHS Markit, Chris Williamson.

O PMI de Serviços, por sua vez, caiu para níveis de 25 meses de 53,7 pontos para 53,4 pontos, graças ao crescimento mais lento de novos negócios.

Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

ONU diz ao governo italiano que decreto viola direitos dos migrantes

Os investigadores afirmam que o decreto parece ser mais uma tentativa política para criminalizar as operações de busca e salvamento” que “intensifica ainda mais o clima de hostilidade e xenofobia contra os migrantes”.
Comentários