Ikea aposta forte na China. Investimento será superior a mil milhões de euros

A Ikea vai iniciar a construção de um centro misto em Xangai, o maior da história da companhia, para responder ao aumento da procura daquele mercado.

O grupo sueco vai avançar com a construção de um centro misto na região de Xangai, na China, onde investirá um pouco mais de mil milhões de euros. O novo projeto, que funcionará com a marca Livat, a insígnia do grupo para aquele mercado, terá uma área de 430 mil metros quadrados e estará operacional no final de 2022.

O centro incluirá 120 mil metros quadrados de espaço comercial, com mais de 300 marcas nacionais e internacionais, além dos tradicionais móveis da multinacional sueca. Segundo avança a imprensa chinesa, o novo centro terá também 60 mil metros quadrados de espaço para escritórios.

No novo projeto, trabalharão cerca de três mil funcionários chineses, a segunda maior equipa logo a seguir à da sede da empresa na Suécia.

A Ikea, que apresentou pela primeira vez a marca Livat na China em 2009, já possui três projetos com essa marca no país.

A primeira loja da Ikea naquele mercado de enorme potencial abriu em Xangai em 2003 e desde então o projeto chinês não parou de crescer. Neste momento, a marca tem sete lojas no terreno.

Com esta nova aposta, o grupo sueco pretende responder ao enorme crescimento da classe média chinesa, que segundo estimativas do governo estará em forte crescimento ao longo dos próximos anos – dado que essa é uma opção central tomada há alguns meses. O plano ‘made in Chine 2025’ é precisamente gizado nesse sentido.

O peso do consumo interno no crescimento do produto chinês já ultrapassou, segundo os últimos dados os 70%.

Ler mais
Recomendadas

Mestrados da Nova distinguidos pelo Wall Street Journal

Mestrados de finanças e de gestão da Nova SBE entre os melhores do mundo. A faculdade considera o resultado importante para impulsionar a marca no mercado norte-americano.

Central de energia da Mota-Engil no México recebeu primeira unidade de produção

A primeira fase deste projeto, com a entrada em produção prevista para junho de 2019, arranca com um investimento de 2.800 milhões de pesos (121 milhões de euros) para alcançar uma capacidade total de produção de 100 MW.

Tesla pondera comprar fábricas da General Motors

A confirmar-se, não seria a primeira vez que a Tesla compra fábricas à GM. A principal fábrica de produção da construtora automóvel de Elon Musk fica em Fremont, no estado da Califórnia, era da GM.
Comentários