Ikea aposta forte na China. Investimento será superior a mil milhões de euros

A Ikea vai iniciar a construção de um centro misto em Xangai, o maior da história da companhia, para responder ao aumento da procura daquele mercado.

O grupo sueco vai avançar com a construção de um centro misto na região de Xangai, na China, onde investirá um pouco mais de mil milhões de euros. O novo projeto, que funcionará com a marca Livat, a insígnia do grupo para aquele mercado, terá uma área de 430 mil metros quadrados e estará operacional no final de 2022.

O centro incluirá 120 mil metros quadrados de espaço comercial, com mais de 300 marcas nacionais e internacionais, além dos tradicionais móveis da multinacional sueca. Segundo avança a imprensa chinesa, o novo centro terá também 60 mil metros quadrados de espaço para escritórios.

No novo projeto, trabalharão cerca de três mil funcionários chineses, a segunda maior equipa logo a seguir à da sede da empresa na Suécia.

A Ikea, que apresentou pela primeira vez a marca Livat na China em 2009, já possui três projetos com essa marca no país.

A primeira loja da Ikea naquele mercado de enorme potencial abriu em Xangai em 2003 e desde então o projeto chinês não parou de crescer. Neste momento, a marca tem sete lojas no terreno.

Com esta nova aposta, o grupo sueco pretende responder ao enorme crescimento da classe média chinesa, que segundo estimativas do governo estará em forte crescimento ao longo dos próximos anos – dado que essa é uma opção central tomada há alguns meses. O plano ‘made in Chine 2025’ é precisamente gizado nesse sentido.

O peso do consumo interno no crescimento do produto chinês já ultrapassou, segundo os últimos dados os 70%.

Ler mais
Recomendadas

Mota-Engil acusada de não pagar a empresas sub-contratadas na Colômbia

O tema é alvo de notícias nos media colombianos. Mas a Mota-Engil esclarece que são dívidas de subempreiteiros para com funcionários que “erradamente” estão a imputar à empresa enquanto empreiteiro geral. Pois “não têm qualquer relação contratual com a Mota-Engil, que sempre cumpriu as suas responsabilidades”.

António Sá da Costa nega existência de “rendas excessivas na eletricidade renovável”

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o presidente da APREN defendeu que “os investimentos na eletricidade renovável trouxeram grandes benefícios para a economia e para o cidadão”.

BCE aprova administradores do Banco Santander Totta

“Com esta decisão, a totalidade dos membros propostos para o Conselho de Administração e a respetiva Comissão Executiva entra de imediato em funções plenas”, diz o banco agora liderado por Pedro Castro e Almeida.
Comentários