PremiumImobiliário ao Domicílio prevê passar os oito milhões de euros já este ano

Conceito chegou a Portugal a meio de 2015 vindo de França e passa por dar mais autonomia a cada consultor. Investidores estrangeiros dominam o setor, mas os portugueses já estão de volta ao ativo.

Fundado em 2008 em França, por três agentes ligados ao ramo imóvel, o Imobiliário ao Domicílio (IAD) chegou a Portugal há quase três anos. Uma rede de consultores independentes que trabalham a partir das próprias casas, num modelo que junta o mercado imobiliário à internet e marketing em rede.

Com uma rede espalhada por quatro países (França, Espanha, Itália e Portugal), Alfredo Valente é o responsável pelo grupo no nosso país, cujo único espaço físico se encontra na cidade do Porto, e que numa fase inicial contou com o apoio de quatro acionistas ligados ao setor em França. Ao Jornal Económico, Alfredo Valente fala da “renovação” que este conceito vem trazer ao setor imobiliário, do papel dos consultores e das perspetivas financeiras que espera atingir no próximo ano.

Para Alfredo Valente, o conceito do IAD nasce “na perspetiva de uma antevisão que eles [três fundadores franceses] tinham na altura, de que o mercado imobiliário precisava de uma renovação, porque tinha um modelo um pouco esgotado, à semelhança do que veio a acontecer depois com o negócio das agências de viagens, que acabou por se desmaterializar”, afirma.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Transações imobiliárias representaram mais de 24 mil milhões de euros investidos em 2017

No total foram transacionados 226.617 mil imóveis (urbanos, rústicos e mistos) o que significou um aumento de 13,5% face ao período homólogo.
Recomendadas

Premium“Economia do Frio”: Negócios que aquecem sempre que os nosso termómetros baixam

Janeiro geoso e fevereiro chuvoso fazem o ano formoso. O ditado é antigo, mas mantém-se atual.

PremiumGás Natural: Energia que chega por barco e gasoduto

Mais de 1,3 milhões de portugueses têm a casa aquecida e o fogão a funcionar graças a um combustível fóssil, o gás natural (GN), que chega de outros países.

PremiumDavos: Como é a vida na cimeira dos poderosos

Em Davos, uma das mais importantes estâncias de esqui da Suíça, famosa por receber o Fórum Económico Mundial, o dia começa cedo.
Comentários