‘Impeachment’. Presidente da Câmara dos Representantes acusa Donald Trump de “suborno”

Os democratas que controlam a Câmara dos Deputados investigam se há mérito em processar Trump por abuso de poder, ao supostamente suspender ajuda militar à Ucrânia a troco de uma investigação ao candidato democrata Joe Biden num caso de corrupção. “O suborno é conceder ou reter assistência militar em troca de uma investigação falsa”, disse Pelosi.

Alex Wong / Getty Images

A presidente da Câmara de Representantes Nancy Pelosi acusou o presidente Donald Trump de “suborno”, um crime que pode levar à destituição, escreve a Reuters, esta sexta-feira.

Durante a primeira ronda de audiências públicas mediante o processo de destituição contra o presidente norte-americano, Pelosi disse que o “depoimento devastador” dado por duas testemunhas “corroborou as provas de suborno de Trump” como parte do pedido ao hómologo ucraniano para investigar o adversário democrata de Trump, Joe Biden.

“O suborno aqui foi conceder ou reter assistência militar em troca de uma declaração pública de uma investigação falsa sobre as eleições. Isso é suborno ”, disse Pelosi, principal democrata do Congresso, numa conferência de imprensa no dia a seguir à primeira audiência pública no inquérito de impeachment que foi  anunciado em setembro.

“O que o presidente admitiu e diz que é ‘perfeito’, eu digo que está perfeitamente errado. É suborno”, rematou a líder da câmara baixa. A democrata acrescentou ainda que o caso Watergate, o escândalo que fez o ex-presidente republicano Richard Nixon renunciar em 1974 quando ficou claro que seria submetido a um processo de impeachment, comparado a esta investigação parece “quase pequeno”.

Os democratas estão a investigar se o presidente republicano abusou do seu poder ao reter 391 milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia para que o país anunciasse que ia investigar Joe Biden, um dos seus possíveis adversários nas eleições de 2020. O dinheiro, aprovado pelo Congresso para ajudar um aliado dos EUA a combater os separatistas apoiados pela Rússia na parte oriental do país, foi posteriormente fornecido à Ucrânia.

Até agora, os democratas não usavam a palavra “suborno” para descrever as supostas irregularidades de Trump, usando invés disso a frase “quid pro quo”, uma expressão latina que significa “algo dado ou recebido por outra coisa” e que frequentemente é usada em casos de extorsão.

As audiências prosseguem esta sexta-feira com a antiga embaixadora em Kiev, Marie Yovanovitch. Na audiência privada, a diplomata afirmou ter sido afastada do cargo por Donald Trump, na primavera, vítima de uma “campanha concertada” na qual foi atacada pelo advogado pessoal do presidente, Rudy Giuliani.

Ler mais
Relacionadas

‘Impeachment’. Trump “estava mais preocupado com Biden” do que com a Ucrânia

As audições desta quarta-feira, transmitidas pelas televisões, servem para que o Partido Democrata leve até ao grande público, em directo e pela voz das próprias testemunhas, os seus argumentos a favor da impugnação do Presidente Trump. William Taylor afirma que o Presidente norte-americano reteve o envio de ajuda militar à Ucrânia para que o país anunciasse que ia investigar Joe Biden, um dos seus possíveis adversários nas eleições de 2020.

‘Impeachment’. Trump promete divulgar transcrição de outra chamada com presidente ucraniano

Trump avançou que divulgaria a transcrição esta terça-feira, descrevendo-a para os repórteres como “muito importante”. Ao que tudo indica, esta segunda chamada terá ocorrido depois da primeira que desencadeou o processo de destituição contra o presidente norte-americano.

‘Impeachment’. Audiências das estações de televisão nos EUA vão disparar com a transmissão em direto do processo contra Trump

Os democratas não vão ser os únicos beneficiados do processo de destituição contra Trump, pois as estações de televisão também vão sair a ganhar. Estima-se que as audiências disparem já a partir de quarta-feira.
Recomendadas

Espanha: se tudo correr bem, 19 de dezembro é dia de haver governo

Todas as forças políticas, Filipe VI incluído, querem apertar o calendário do novo governo. Só falta a ERC, que, liderada a partir de uma prisão em Madrid, não está com grande pressa.

Putin propõe aos Estados Unidos prolongamento do acordo nuclear START

O presidente russo diz que já se mostrou disponível para prolongar o tratado START, que limita o número de ogivas nucleares entre os dois países, mas que ainda não obteve resposta.

Trump recorre ao Supremo para manter finanças pessoais em segredo

O presidente pediu esta quinta-feira ao Supremo Tribunal que mantenha os seus registos financeiros fora do alcance do Congresso liderado pelos democratas.
Comentários