“Impeachment será usado como rotina para atacar futuros presidentes”. Trump reage ao anúncio de Nancy Pelosi

O presidente dos Estados Unidos utilizou a sua conta da rede social Twitter para reagir ao anúncio da Câmara dos Deputados que abriu caminho esta quinta-feira para a votação do impeachment.

Jonathan Ernst/REUTERS

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já reagiu ao anúncio da presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, para que a votação do impeachment possa acontecer antes do período natalício. Através da sua conta da rede social Twitter, Donald Trump, refere que “o ato de impeachment será usado como rotina para atacar futuros presidentes”.

Donald Trump acrescenta ainda que o lado bom desta decisão é mostrar que “os Republicanos nunca estiveram tão unidos”, que irá sair vencedor.

“A nossa democracia está em jogo. O presidente não nos deixa escolha a não ser agir, porque ele está a tentar corromper, mais uma vez, a eleição para o seu próprio benefício”, afirmou Nancy Pelosi hoje ao anunciar que a Câmara dos Deputados vai começar a preparar os artigos de impeachment contra o presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

“Os fatos são incontestáveis. O presidente abusou de seu poder para o seu benefício político pessoal, às custas da nossa segurança nacional”, referiu Nancy Pelosi.

Donald Trump, 73 anos, é suspeito de ter pressionado o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, a investigar uma empresa ucraniana da qual foi administrador o filho do ex-vice-presidente Joe Biden, dado como favorito a concorrer pelos democratas nas eleições de 2020, em troca de uma ajuda militar dos Estados Unidos.

Ler mais
Relacionadas

“Ações do presidente violaram seriamente a constituição”. Pelosi abre caminho para votação de impeachment a Trump

Nancy Pelosi refere que ficou claro após dois meses de investigação que Donald Trump “violou o seu juramento” e pressionou uma potência estrangeira para o “ajudar nas eleições de 2020”.
Recomendadas

Costa avisa Comissão Executiva da TAP que plano de rotas “não tem credibilidade”

O primeiro-ministro afirmou hoje que a Comissão Executiva da TAP tem o dever legal de “gestão prudente” e “não tem credibilidade” um plano de rotas sem prévia informação sobre a estratégia de reabertura de fronteiras de Portugal.

PS assinala “vontade inequívoca” do Governo de reforçar funções sociais do Estado e fazer investimento público

José Luís Carneiro encerrou a ronda de dois dias de reuniões do Governo com os partidos representados na Assembleia da República para debater o Programa de Estabilização Económica e Social.

Chega sugere “redução de despesas supérfluas do Estado”

Um dos exemplo apresentados por André Ventura para a redução de despesas do Estado é o corte “no número de organismos desnecessários quer no continente quer na regiões autónomas”
Comentários