Incêndios: Costa defende uma maior mobilização “contra comportamentos de risco”

O chefe do Executivo socialista garante que já estão em curso medidas para ampliar a vigilância das florestas e lembra que “98% dos incêndios que ocorrem em Portugal têm origem humana”.

Reuters

O primeiro-ministro, António Costa, defende que é preciso uma maior mobilização e empenho de todos “contra os comportamentos de risco” para prevenir novas catástrofes como a dos incêndios do ano passado. O chefe do Executivo socialista garante que já estão em curso medidas para ampliar a vigilância das florestas e lembra que “98% dos incêndios que ocorrem em Portugal têm origem humana”.

Durante a apresentação do Programa Nacional de Redução de Ignições de Incêndios Rurais, que decorreu esta segunda-feira, António Costa afirmou que “menos combustível, menos comportamentos de risco e mais vigilância” são posturas e atitudes, mas “também desafios” que todos devem assumir. O líder socialista lembra que grande parte dos incêndios é intencional, mas muitos resultam de descuido e da “imprevidência de cada um de nós”.

Tendo em conta essa situação, António Costa recomenda que se evitem “comportamentos de risco” que são “imprevidentes e que causam tragédias indesejadas”. O líder do Governo considera que é preciso continuar a controlar as práticas de “queimas e queimadas” e garante que o país dispõe de 55 novos vigilantes da natureza e 500 novos efetivos no Grupo de Intervenção Proteção e Socorro da GNR.

O primeiro-ministro sublinhou que a prevenção é a melhor solução e aquela que “permite que essas forças cheguem mais cedo”, defendendo “um aumento da eficiência da primeira intervenção”.

Recomendadas
Angola/PM: Costa considera “muito provável” visita de Estado de Marcelo em 2019
De acordo com o líder do executivo português, a partir de agora, as visitas de alto nível entre as autoridades políticas de Luanda e de Lisboa “retomarão o seu ciclo normal”.
Transparência: PS quer regresso da lista das subvenções vitalícias
A lista, composta na maioria por políticos reformados, deixou de ser publicada em maio, depois de surgirem dúvidas colocadas pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados.
Comissão parlamentar quer ouvir Manuel Pinho em 17 de outubro
Fonte parlamentar adiantou à agência Lusa que para 17 de outubro ficou agendada a audição do ex-ministro da Economia Manuel Pinho, sendo esta a última data deste lote de inquirições previstas.
Comentários