Incêndios: Marcelo diz que solução encontrada pelo Governo “é justa”

“Permite apontar para aquilo que se queria que é rapidez, justiça, equidade e participação. Nesse sentido foi bom que fosse essa a primeira decisão e parece-me uma decisão muito correta”, frisou o Chefe de Estado.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje justa e rápida a solução encontrada pelo Governo para indemnizar os familiares das vítimas que morreram nos incêndios.

“É muito importante que a primeira decisão do Conselho de Ministros tenha sido a de olhar para a situação decorrente das mortes neste período trágico que vivemos em Portugal. E a solução que foi encontrada parece-me uma solução justa”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, na Sertã, distrito de Castelo Branco.

O Presidente disse ainda que a solução é “rápida, um mês para se definirem os critérios” para as indemnizações, destacando que a solução foi encontrada em acordo com os familiares das vítimas, nomeadamente dos incêndios de Pedrógão Grande.

“Permite apontar para aquilo que se queria que é rapidez, justiça, equidade e participação. Nesse sentido foi bom que fosse essa a primeira decisão e parece-me uma decisão muito correta”, frisou o Chefe de Estado.

A ministra da Justiça anunciou hoje que a comissão para pagamento de indemnizações aos familiares das vítimas dos incêndios terá 30 dias para fixar os critérios, cabendo depois ao Provedor de Justiça estabelecer o valor das compensações.

Esta resolução foi anunciada por Francisca Van Dunem após ter sido aprovada em reunião extraordinária do Conselho de Ministros, em São Bento, Lisboa.

A ministra da Justiça afirmou que o mecanismo extrajudicial de compensação relativo às vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande (junho) e do passado domingo e segunda-feira terá uma adesão voluntária por parte dos familiares e herdeiros das vítimas.

“É para nós desejável que as famílias recebam o mais depressa possível”, declarou Francisca Van Dunem, adiantando, contudo, que não pode prever neste momento uma data exata sobre o momento em que as indemnizações começarão a ser pagas.

Na Assembleia da República, durante o debate quinzenal, na quarta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, considerou “inequívoco” que houve falhas graves dos serviços do Estado nos incêndios de Pedrógão Grande e concelhos limítrofes, em junho, cabendo como tal ao Estado assumir as responsabilidades perante as vítimas.

António Costa já tinha, antes, admitido agilizar as compensações para as vítimas de Pedrógão Grande, através de um mecanismo extrajudicial.

 

Ler mais
Relacionadas

Incêndios: Governo adota mecanismo extrajudicial para indemnizar vítimas de junho e outubro

O Governo prepara-se para adotar hoje, em Conselho de Ministros, um mecanismo extrajudicial para, de forma célere e simples, atribuir indemnizações aos familiares e herdeiros das vítimas dos incêndios de junho e de outubro.

Incêndios. Comissão tem um mês para resolver critérios das indemnizações

A resolução anunciada pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, foi aprovada hoje em reunião extraordinária do Conselho de Ministros, em São Bento, Lisboa.
Recomendadas

Ondas de calor, secas extremas, mais chuva: os verões vão mudar completamente com o aquecimento global

O alerta já foi feito pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, em 2018, sobre os impactos da subida da temperatura em 1,5º Celsius. Agora, um novo estudo vem informar que se o percurso das emissões actuais se mantiver, o aumento dos dois graus Celsius poderá ser alcançado em meados deste século com possibilidade de chegar aos três graus Celsius.

Islândia perde primeiro glaciar e realiza funeral para honrar ‘Ok’

“Nos próximos 200 anos, estima-se que todos os nossos glaciares sigam o mesmo caminho. Este monumento serve para reconhecer que nós sabemos o que está a acontecer e o que precisa de ser feito”, lê-se na descrição da placa colocada para honrar Okjökull.

Gronelândia é “um grande negócio imobiliário” para Trump. Dinamarca diz que compra é “ideia absurda”

A última tentativa de compra da Gronelândia aconteceu em 1946 por Harry Truman. Apesar dos governantes da Dinamarca e da Gronelândia ressalvarem que a compra não vai acontecer, Trump sustentou que seria “um bom negócio imobiliário”
Comentários