Índice de confiança do ISEG desce em dezembro

O indicador é realizado com o contributo de 16 docentes do instituto superior, que, para o mês de dezembro, descobriram razões para estarem menos confiantes na economia portuguesa.

O índice de confiança do ISEG apurado para dezembro e relativo à evolução da atividade económica portuguesa no curto prazo foi de 34,8 pontos, “o que corresponde a um ligeiro decréscimo do índice de confiança do painel na evolução da conjuntura face ao valor do índice apurado no mês de novembro, que foi de 35”, refere o instituto superior em comunicado. Em termos homólogos o índice cresceu 1,2%.

“Diminui o consenso dos membros do painel relativamente à evolução económica”, refere ainda o documento sobre o índice, elaborado com base numa avaliação que pode variar entre 0 (confiança mínima) e 100 (confiança máxima) e que é atribuída por um painel de dezasseis professores do ISEG.

As notações do painel são feitas com base em informação quantitativa e qualitativa previamente recolhida e que inclui os apuramentos de um inquérito realizado mensalmente a todos os docentes do ISEG. O valor do índice é obtido por média simples dos valores entre 0 e 100 atribuídos respetivamente por cada um dos membros do painel.

 

Recomendadas

easyJet estabelece acordo de ‘code share’ com Cathay Pacific

Com o acordo hoje, dia 21 de janeiro, anunciado, a partir das próximas semanas, os clientes da easyJet poderão voar para Hong Kong a partir do aeroporto de Gatwick (Londres).

Governo já sabia de irregularidades na CGD? Se sim, “é grave”, aponta Rui Rio

“Eu não quero acreditar que, no quadro de todos aqueles valores que ali estão, possa ter sido tudo concedido, todo aquele crédito possa ter sido concedido de uma forma clara e limpa, que não mereça uma investigação”, disse Rui Rio aos jornalistas, na sede nacional do partido, em Lisboa.

Custa 336 euros e garante alimentação para um mês. Esta é a ‘Brexit box’

Concebido e comercializado pela empresa Emergency Food Storage, o pacote inclui 60 receitas que podem ser consumidas nos próximos 25 anos
Comentários