Inditex volta a estar contra as tendências: comprou instalações na Catalunha

Grupo fundado por Amancio Ortega nunca se confinou aos shoppings nem nunca transferiu o grosso da produção para a China. Agora, quando outras empresas fogem da Catalunha, investe no território da autonomia.

Ler mais

Um dos segredos da Inditex foi sempre o de andar ao arrepio das modas (da gestão). Quando todas as grandes marcas de pronto-a-vestir desistiram quase completamente do comércio de rua – indo acolher-se no conforto dos shoppings, que proliferaram por todas as cidades de grande e média dimensões da Europa – a Inditex manteve a sua aposta na rua.

Em Portugal, por exemplo – o país que o fundador do grupo, Amancio Ortega, escolheu para iniciar o processo de internacionalização – foi na rua que a Zara se instalou inicialmente. E ainda hoje, apesar dos investimentos em vários shoppings, ainda lá está.

Mais tarde, quando as empresas têxteis começaram a deslocalizar a produção para o oriente – China e Vietname, principalmente, na procura de salários indizivelmente baixos e custos de produção imensamente reduzidos face à Europa – a Inditex foi das poucas que não ‘embarcou’ na moda: manteve a produção, ou parte substancial dela, na Europa – nomeadamente no norte de Portugal.

Essa decisão foi, aliás, uma verdadeira tábua de salvação para muitas indústrias (e muitos empregos): não as salvou a todas, seria impossível, mas sustentou a sobrevivência de muitas famílias portuguesas.

Agora, e mais uma vez, o grupo galego – e apesar de Amancio Ortega já não estar diretamente encarregado da sua gestão – volta a gerir ao arrepio do mercado: numa altura em que centenas de empresas, grupos internacionais e instituições financeiras já abandonaram, pretendem vir a abandonar ou ameaçam abandonar a Catalunha – na tentativa de contribuírem para vencer os independentistas – a Inditex anunciou que vai investir na autonomia.

A Inditex anunciou a compra, ao fim de dois anos de negociações, de 22 mil metros quadrados na Catalunha, mais propriamente em San Adrián de Besós (Barcelona). A parcela pertencia à empresa Schott Ibérica, que se dedicava ao fabrico e comercialização de tubos de vidro para uso farmacêutico.

As instalações estavam fechadas desde 2014 e, a partir desse momento, várias empresas mostraram interesse em comprá-las, embora nenhuma das ofertas tivesse sido bem-sucedida. A operação foi intermediada pela consultora imobiliária JLL – que também opera no mercasdo português e a multinacional têxtil disse que ainda não definiu o que vai instalar no seu novo espaço.

No entanto, o grupo disse em várias ocasiões que pretendia associar à sede da Bershka (uma das suas marcas) em Barcelona investimentos mais vultuosos, que permitissem o desenvolvimento da Inditex no território catalão. A intenção é a de manter instalações a muito poucos minutos de Barcelona – numa estratégia, a da proximidade e de baixos custos de ‘stocagem’, que, precisamente, esteve por trás da decisão de não investir em demasia nos paraísos orientais dos baixos custos de produção.

O grupo Inditex – que possui um total de sete centros de logística em toda a Espanha – parece não se dar mal com esta sua visão diferente do mercado em que opera. As regiões e os países onde o grupo opera também não.

Recomendadas

Carlos Tavares diz que Concorrência e Bruxelas analisaram as propostas do Governo sem olhar para mercado ibérico de eletricidade

“Qualquer análise de concorrência tinha de ser feito no âmbito do mercado ibérico, o que foi totalmente esquecido no parecer da Autoridade da Concorrência que se baseava apenas no funcionamento do mercado fechado”, disse o ex-ministro que diz que “se há coisa que se arrepende é de ter sido Ministro da Economia”.

Serviço público dá prejuízo às farmácias, conclui estudo da ANF

Associação Nacional de Farmácias salienta as conclusões do estudo “Sustentabilidade da Dispensa de Medicamentos em Portugal”, realizado pela Universidade de Aveiro em colaboração com a sociedade de revisores oficiais de contas Oliveira, Reis & Associados.

Vai ser afetado pela greve da Ryanair esta sexta-feira? Conheça os seus direitos

Paralisação vai afetar cerca de 190 voos em toda a Europa e aproximadamente 30 mil passageiros e pode custar à Ryanair cerca de 8,4 milhões de euros em compensações. Se tem bilhete para voar com a companhia ‘low cost’, saiba como se defender.
Comentários