INE confirma aceleração da inflação em julho, por causa dos preços da energia

Em comunicado, o INE explica que o ritmo de evolução do índice relativo aos produtos energéticos acelerou 0,2 pontos percentuais, para 7,7%, ainda assim um passo uma décima mais lento que o previsto na estimativa rápida.

A inflação em Portugal acelerou 0,1 pontos percentuais, em julho, face a junho, para 1,6%, devido à evolução dos preços da energia, confirmou esta sexta-feira, 10 de agosto, o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Este valor confirma a a estimativa rápida do Índice de Preços no Consumidor (IPC), divulgado a 31 de julho.

Em comunicado, o INE explica que o ritmo de evolução do índice relativo aos produtos energéticos acelerou 0,2 pontos percentuais, para 7,7%, ainda assim um passo uma décima mais lento que o previsto na estimativa rápida.

A variação homóloga (face a igual mês do ano anterior) do indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) em julho é de 1% (idêntico ao valor observado em junho).

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de 2,2% (o valor observado em junho foi de 2%).

Relacionadas

Preços da energia aceleram inflação da zona euro para 2,1%

O ritmo de crescimento dos preços da energia acelerou 1,4 pontos percentuais, para 9,4%, mais do que triplicando o passo registado pelas outras categorias onde os preços mais subiram.

Inflação em Portugal acelerou para 1,6% em julho

Estimativa rápida do Índice de Preços no Consumidor, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística, explia esta evolução com o aumento dos preços da energia.
Recomendadas

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais, diz a PwC

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

FMI indica três passos para evitar uma crise de dívida pública

O artigo publicado hoje no IMFBlog, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que “a sustentabilidade da dívida de alguns países de alto risco tem sido objeto de muito debate público”, mas, no entanto, “o peso da dívida pública é um problema crescente em todo o mundo”.

Luís Pedro Martins eleito para mandato de 5 anos na Turismo Porto e Norte de Portugal

De acordo com os atuais estatutos da TPNP, o mandato da comissão executiva tem a duração de cinco anos e só pode ser renovado uma vez.
Comentários