INE: tumores e doenças circulatórias causaram mais de metade das mortes em 2016

Os tumores malignos da traqueia/brônquios/pulmão e os do cólon, reto e ânus foram os mais mortíferos, tirando a vida a mais de oito mil pessoas, mostram os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.

Doenças do aparelho circulatório e tumores malignos foram os responsáveis por mais de metade das 110.970 mortes registadas em Portugal em 2016, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em “Causas de Morte 2016”, os números do INE traduzem um aumento de 2,7% nas mortes por tumor maligno em relação a 2015, subindo para 27.357, com uma idade média de 73,1 anos e custando 111.072 potenciais anos de vida perdidos para as doenças.

Os tumores malignos da traqueia/brônquios/pulmão e os do cólon, reto e ânus foram os mais mortíferos, tirando a vida a mais de oito mil pessoas.

As doenças do aparelho respiratório fizeram 13.474 mortes em 2016, mais quatro do que no ano anterior, atingindo mais os homens (52,2%), e em 9,9% dos casos, antes dos 70 anos, custando 14.963 anos potenciais de vida.

Mais de 36% das mortes aconteceram antes dos 70 anos. Já as doenças circulatórias mataram mais mulheres, fazendo 32.805 vítimas (55,1%), do que homens, com a idade média de morte nos 81,1 anos.

Os 981 suicídios que aconteceram em 2016 representaram uma descida de 13,3% em relação ao ano anterior.

Ler mais
Recomendadas

Ministério da Educação repudia agressões nas escolas e fala em casos “residuais”

O Ministério da Educação garante que as situações de violência grave nas escolas são “residuais” e que existe uma tendência de diminuição de casos, repudiando todas as agressões que considera “inaceitáveis seja quem for o agressor”.

Barcelona é a cidade preferida para os estudantes portugueses fazerem Erasmus

Espanha é o país mais procurado pelos estudantes universitários portugueses quando vão fazer Erasmus.

Lisboa é a 95º melhor cidade do mundo para se ir ao hospital

A capital portuguesa obteve uma pontuação de 62,25 quando analisados elementos como camas de hospital e cirurgiões per capita, acesso à saúde e custo dos medicamentos. Em 100 cidades, pior só está Telavive, Ramat Gan, Cracóvia, Praga e Dubai. Tóquio lidera o ‘ranking’ da startup britânica Medbelle.
Comentários