Inflação e desemprego dão margem de manobra ao BCE

Tanto os dados sobre a aceleração dos preços como sobre o mercado de trabalho são especialmente relevantes numa altura em que o BCE se prepara para o fim das medidas de política monetária não convencional.

O Banco Central Europeu (BCE) prepara-se para começar um debate sensível no outono, sobre o fim dos estímulos à economia da zona euro, mas a margem de manobra está a aumentar. A estimativa para o conjunto dos países da moeda única indica que a inflação global tenha estabilizado em 1,3% em julho, enquanto o desemprego caiu para mínimos desde junho de 2009, de acordo com dados divulgados esta segunda-feira.

“A surpresa positiva de hoje na inflação subjacente, que provavelmente dará ao BCE algum conforto, mesmo que o nível permaneça baixo”, explicou o economista do Morgan Stanley, Daniele Antonucci, à agência Reuters. Se a inflação global inverteu a tendência de desaceleração, o economista salienta a importância de a inflação subjacente (excluindo preços da energia e bens alimentares) ter acelerado para 1,3% em julho, face a 1,2% no mês anterior.

A notícia é animadora para a instituição liderado por Mario Draghi já que a meta do BCE é de uma inflação próxima, mas abaixo de 2%. Por outro lado, foi também conhecido esta segunda-feira que o a taxa de desemprego na zona euro está em mínimos de oito anos, em 9,1%, suportando a ideia de robustez da retoma da economia europeia.

Tanto os dados sobre os preços como sobre o mercado de trabalho são especialmente relevantes numa altura em que o BCE se prepara para o fim das medidas de política monetária não convencional.

Draghi anunciou na última reunião do banco central que o Conselho de Governadores começará a discutir o fim do programa de compra de ativos da zona euro no próximo outono. Atualmente a um ritmo de 60 mil milhões de euros em aquisições de ativos por mês, o BCE poderá ver assim sinais para começar a diminuir o valor mensal a partir do próximo ano.

Relacionadas

Desemprego fica abaixo da média do euro pela primeira vez em 11 anos

Taxa de 9% registada por Portugal em junho é inferior aos 9,1% registados no conjunto dos países da moeda única.

Inflação da Zona Euro cai para 1,3%

Em Portugal, os preços subiram 1,0%, ficando abaixo dos 1,7% de maio e acima dos 0,7 registados o ano passado.

Draghi aponta início do fim para o outono

Já há data para o BCE começar a discutir o fim do ‘quantitative easing’, mas o presidente do banco manteve quase tudo em aberto.

A frase (de Draghi) que salvou o euro faz cinco anos

Na altura, toda a zona euro se debatia com a crise da dívida soberana e Portugal, a lidar com o programa de ajuda externa, pagava 11% de juros.

“Continuar demasiado tempo os estímulos pode levar a desequilíbrios”

Em entrevista ao Jornal Económico, o diretor do Centro de Estudos Políticos Europeus e antigo membro do FMI, Daniel Gros, alerta para os riscos de o BCE manter o programa de compra de ativos. Apesar de acreditar que Mario Draghi não fará alterações, pelo menos, até ao outono, o economista lembra o exemplo japonês e as dificuldades de acabar com o QE.
Recomendadas

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.

Défice do primeiro semestre fixou-se em 1,9%

Dados revelados pelo INE esta sexta-feira revelam melhoria face aos primeiros seis meses de 2017, no qual o saldo global das Administrações Públicas (AP) se tinha fixado em 6,1%, devido ao impacto da recapitalização da CGD.

Já não há dúvidas. INE confirma pela segunda vez que CGD entra no défice de 2017

A confirmação foi dada pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que enviou esta sexta-feira para o Eurostat a segunda notificação anual no âmbito dos Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).
Comentários