ING foi advisor na emissão de 600 milhões de obrigações verdes da EDP

A EDP utilizará os rendimentos líquidos desta emissão de obrigações para financiar projetos que contribuam para aumentar a produção de energia renovável, incluindo o design, construção, instalação e manutenção de centrais eólicas ou de energia solar.

O banco ING aconselhou a EDP numa emissão de obrigações verdes a 7 anos no valor de 600 milhões de euros. “Trata-se da primeira operação deste perfil realizada no mercado português. A emissão, em que participou um sindicato de vários bancos, foi acolhida de forma muito positiva pelo mercado com um livro de ordens que superou os 1.900 milhões, o que permitiu situar o preço em 123 pontos básicos acima da referência para as emissões de taxa fixa ou midswap”, segundo um comunicado enviado às redações.

A operação permitiu à EDP diversificar a sua base de investimento. “Neste sentido, destaca a qualidade do livro de ordens, com 44% de investidores “Dark Green” e com alta presença europeia, entre outros investidores da França (25%), Alemanha e Áustria (23%) e Benelux (21%)”.

A EDP que está cotada na Bolsa de Lisboa desde 1997 e presente em 14 países, utilizará os rendimentos líquidos desta emissão de obrigações para financiar projetos que contribuam para aumentar a produção de energia renovável, incluindo o design, construção, instalação e manutenção de centrais eólicas ou de energia solar.

“Com esta operação, o ING posiciona-se de novo como um dos bancos líderes em financiamento sustentável. Este ano participou em 18 emissões de obrigações verdes, três das quais lavadas a cabo na Península Ibérica”.

Além da EDP, o banco participou na emissão de obrigações sustentáveis a 10 anos por 1.000 milhões de euros da Comunidade de Madrid e liderou a emissão de uma obrigação sustentável a 7 anos de Caixa Rural da Navarra de 500 milhões de euros.

O ING  conta com uma equipa específica de Sustainable Finance há 6 anos.

Ler mais
Recomendadas

Aguiar Branco: “Precisamos de deputados que estejam no mundo real”

Aguiar Branco fala dos desafios da firma, do mercado da advocacia e da sua visão da política como um serviço cívico, onde a experiência da “vida real” é fundamental. E não exclui voltar à política ativa.

Consultores vão custar 40 milhões de dólares à Sonangol

O novo plano de reestruturação da maior empresa angolana vai ser coordenado, ao nível dos consultores, pela Deloitte, que deverá trazer para Angola, e colocar ao serviço da Sonangol uma equipa plurinacional e multidisciplinar, com especialistas da Noruega e Brasil,

Economia do mar de Portugal movimenta 7,5 mil milhões de euros por ano

Esse volume de negócios corresponde a cerca de 2,2% do PIB atual do país, segundo um estudo da consultora EY.
Comentários