Inpharma vai investir seis milhões de euros num novo laboratório em Cabo Verde

Com este novo investimento, a Inpharma conta aumentar a produção para apostar na internacionalização, nomeadamente para os mercados da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em particular para a Guiné e São Tomé Príncipe.

Os Laboratórios Inpharma vão investir seis milhões de euros na construção de uma nova unidade fabril em Cabo Verde, para apostar na internacionalização, apurou o Jornal Económico Cabo verde, de fonte conhecedora do processo.

A primeira pedra da nova unidade vai ser lançada a 5 de outubro, data em que a Inpharma comemora o seu 25º aniversário.

O processo de construção da nova fábrica vai prolongar-se por 14 a 18 meses, devendo estar concluído no final de 2019 ou início de 2020. A construção conta com a pré-qualificação na Organização Mundial de Saúde (OMS).

A nova unidade representará um aumento da capacidade de produção da única fábrica de medicamentos de Cabo Verde e, ao mesmo tempo, levará à “criação de emprego qualificado, mais exportação e aumento da autonomia e competitividade no mercado farmacêutico”, segundo a mesma fonte.

A Inpharma produz, atualmente, cerca 74 moléculas, o que equivale a uma disponibilização no mercado de 85 medicamentos, nas formas sólida, líquida e pastosa.

Com este novo investimento, a Inpharma conta aumentar a produção para apostar na internacionalização, nomeadamente para os mercados da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em particular para a Guiné e São Tomé Príncipe.

Além da produção de medicamentos, no âmbito da internacionalização, o laboratório de controlo de qualidade da Inpharma, o Inlab, tem realizado ensaios e consultoria nos setores de águas e alimentação, tanto no mercado nacional como também a nível internacional, por exemplo à OOAS, Instituição especializada da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) responsável pelas questões sanitárias, assim como a outros Países da CEDEAO e PALOP (países africanos de língua oficial portuguesa).

O maior acionista da Inpharma é a Labesfal Cabo Verde com 43,8% da empresa, detidos pelo empresário português Joaquim Coimbra, e a Emprofac, Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos, responsável por garantir a Importação, o Armazenamento, a Comercialização e a Distribuição de medicamentos e produtos farmacêuticos, que detém 40% do capital social.

Os restantes 16.2% são detidos por privados cabo-verdianos, em particular trabalhadores da Emprofac e da Inpharma.

A cerimónia de lançamento da primeira pedra da nova fábrica de medicamentos da Inpharma contará com a presença do primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva.

Ler mais
Recomendadas

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.

Jogos Africanos de Praia fazem de Cabo Verde destino desportivo

“Esta aposta vale a pena porque está dentro da estratégia de tornar Cabo Verde num país relevante no mundo de organizações de eventos desportivos”, disse o ministro do Desporto cabo-verdiano.

Empresas privadas com “expectativas enormes” sobre fórum de investimento em Cabo Verde

O Cabo Verde Investment Forum está agendado para os próximos dias 1, 2 e 3 de julho. “A questão do financiamento continua a ser um dos grandes desafios para o sector privado nacional”, disse o secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários