PremiumInside quer levar Portugal para um patamar de “qualidade e alternativa diferenciadora”

Marcarão presença nesta conferência internacional um conjunto diverso de reconhecidos ‘players’ nacionais e internacionais, dos setores relevantes na evolução e crescimento do setor do turismo em Portugal, e particularmente na cidade de Lisboa.

Com o objetivo de aprofundar o universo das “Marcas Globais, destinos turísticos e mercado imobiliário… Como tirar o melhor partido desta relação?”, a Essentia promove uma conferência internacional, no próximo dia 29, na Estufa Real, em Lisboa.

Este evento, do qual o Jornal Económico é media partner, será palco da apresentação de uma publicação, a Inside®- Lisboa – Concept Hospitality, Tourism and Real Estate, fruto de uma parceria com a consultora PwC. Com uma periodicidade semestral, este trabalho pretende perceber como pode Portugal potenciar o atual fluxo de investimento e de reconhecimento internacional, procurando informar o setor sobre os mais relevantes aspetos da hotelaria conceptual. A hotelaria conceptual destaca-se pela singularidade, personalização dos serviços e sofisticação dos espaços, visando oferecer um produto mais distinto e profissionalizado, a um mercado tipicamente mais exigente e segmentado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários