Interface tem 120 milhões para fazer chegar inovação às empresas

O novo modelo de financiamento do programa Interface é formalizado pelo governo esta sexta feira no Instituto de Soldadura e Qualidade (Oeiras), um dos 28 centros reconhecidos no programa.

O programa Interface vai ter duas linhas de financiamento dotadas com 120 milhões de euros, distribuídos por seis anos, para fazer chegar mais inovação às empresas em Portugal, informa o “Diário de Notícias” na sua edição desta sexta feira.

O novo modelo de financiamento do programa Interface é formalizado pelo governo esta sexta feira no Instituto de Soldadura e Qualidade (Oeiras), um dos 28 centros reconhecidos no programa.

Em declarações ao “Diário de Notícias”, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, explicou que a meta é “dar estabilidade e permitir que estes centros, que apoiam a inovação das empresas, possam acelerar ainda mais o seu trabalho de transferência de tecnologia para as empresas, possam desenvolver mais projetos de inovação mas principalmente possam desenvolver projetos de inovação em áreas mais avançadas”.

As prioridades definidas são a digitalização, economia circular e eficiência energética.

 

Relacionadas

Portugal vai formar para indústria automóvel do futuro

Um consórcio de sete instituições ganhou um projeto da Comissão Europeia que vai qualificar mão de obra para o setor.

Sabia Que …. Os fundos europeus já contribuíram para 87 mil novos postos de trabalho?

Foi lançada uma campanha que coloca em pacotes de açúcar informações relativas à aplicação de fundos comunitários em Portugal e os seus respetivos resultados.
Recomendadas

Défice orçamental atinge 576 milhões de euros até agosto

Melhoria do saldo global é explicada pelo ministério das Finanças por um crescimento da receita superior ao aumento da despesa.

Chelsea FC está à venda: Abramovich quer 3,3 mil milhões de euros

Clube londrino pode mudar de mãos e já há um preço definido: quinze vezes mais do que foi investido pelo magnata russo há 15 anos.

Telefónica planeia vender filiais no México e América Central para reduzir dívida e valorizar em bolsa

Em causa estão as filiais da Telefónica no México, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Nicarágua e Panamá. A empresa de telecomunicações está a trabalhar neste cenário “há muitos meses” e as negociações estão “bastante avançadas”.
Comentários