“Intermarché já apoiou a produção primária em Portugal com incentivos de mais de um milhão de euros”

Os prémios vão ser atribuídos nas categorias de produção primária, produtos transformados, inovação, ideias com potencial numa cerimónia presidida pelo ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos.

A minutos de se saberem os vencedores da V edição do ‘Prémio Intermarché Produção Nacional’, Martinho Lopes, administrador da cadeia francesa de distribuição em Portugal, concede uma entrevista ao Jornal Económico em que revela o valor já canalizado pelo grupo para esta iniciativa desde o seu início.

“Claro que, na medida em que consumidores portugueses valorizam os produtos nacionais, estas iniciativas apoiam as nossas vendas, mas em termos quantitativos, o que podemos dizer é que, neste âmbito das iniciativas de promoção dos produtores e produtos nacionais, o Intermarché já apoiou a produção primária em incentivos de mais de um milhão de euros”, assegurou este responsável.

Segundo o mesmo porta-voz, o ‘Prémio Intermarché Produção Nacional’ foi criado no âmbito do ‘Programa Origens’ (antes designado por ‘Programa Agro’) que, há cerca de 20 anos, “apoia e incentiva a produção nacional, o desenvolvimento das economias locais e as bases de um setor primário mais sustentável”.

“Este programa, o mais antigo em Portugal no apoio à produção e a produtores nacionais por parte da grande distribuição, tem hoje parcerias com 170 produtores em Portugal, com os quais trabalhamos de perto, inclusive no terreno com as nossas equipas técnicas, para apoiar boas práticas e fatores de sustentabilidade, garantindo frescura, elevados padrões de qualidade e segurança alimentar”, destaca Martinho Lopes.

No entender deste responsável do Intermarché, “é desta forma que conseguimos assegurar nas nossas 248 lojas em 180 concelhos [em Portugal] produtos genuinamente portugueses, que são uma referência de qualidade e de preço”.

“O ‘Prémio Intermarché’ partilha deste mesmo objetivo e permite-nos conhecer e estabelecer novas parcerias com produtores dinâmicos, inovadores, sustentáveis e que promovem o respeito pelas origens, mas com ele não temos objetivos quantitativos em termos de vendas”, explica Martinho Lopes, razão pela qual não nos terão sido fornecidos dados sobre vendas do grupo retalhista francês em Portugal em resultado deste programa de incentivos aos produtores nacionais.

A presente edição do ‘Prémio Intermarché Produção Nacional’ recebeu o número mais elevado de candidaturas desde o lançamento, totalizando mais de 80 produtos a concurso.

Os vencedores serão daqui a pouco conhecidos numa cerimónia realizada na Câmara de Comércio e Indústria, em Lisboa, com a presença do ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos.

Os prémios vão ser atribuídos nas categorias de produção primária, produtos transformados, inovação, ideias com potencial. “A forte qualidade dos projetos finalistas” levou o júri a ampliar o número de distinções, com a atribuição de quatro menções honrosas nas referidas quatro categorias.

“O primeiro gin português feito de abóbora, um vinho de uma casta nacional que se encontra praticamente extinta – a Jampal -, um inédito queijo ‘kefir’ de cabra, um peito de pato fumado, fatiado e pronto para saborear, uma tenra carne de Cachena e as tão características castanhas Martaínhas sagraram-se, este ano, vencedores do ‘Prémio Intermarché Produção Nacional'”, assegura um comunicado do grupo.

As menções honrosas foram para o azeite biológico Olmais, para um inovador óleo de grainha de uva Graduva, para a maçã Riscadinha de Palmela e para a carne biológica Geo de Prado.

“Os produtores distinguidos têm como recompensa a entrada na cadeia Intermarché, com o escoamento dos seus produtos assegurado durante um ano na rede nacional de lojas e, nos casos que o justificam, também nos pontos de venda da insígnia em França, na Bélgica e Polónia. Adicionalmente, e fruto da parceria com o ‘Portugal Sou Eu’, os vencedores que cumpram os requisitos deste programa beneficiarão deste selo identitário da origem nacional”, esclarece o referido comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Produtores nacionais de frutas e legumes querem exportar 500 milhões para Espanha até 2019

Em 2017, as vendas desta fileira ao mercado espanhol totalizaram 450 milhões de euros, mais 13,6% do que no ano anterior (396 milhões). Quatro dezenas empresas, associações e parceiros vão mostrar em Madrid a 70 mil visitantes, provenientes de 120 países, o que de melhor se produz em Portugal.

Danone desacelera no terceiro trimestre mas sobe vendas para 6,2 mil milhões de euros

A Danone justifica o menor crescimento de vendas com a diminuição da procura de produtos alimentares para bebés na China e, ainda, pelo boicote levado a cabo pelos consumidores em Marrocos.

Grupo Soja de Portugal quer atingir 40% de exportações em 2022

A aposta nas exportações resultou em grande parte da crise que se abateu sobre o país, mas, passado o pior momento, é uma estratégia que o grupo tem todo o interesse em repetir. O que não é para repetir é o mercado de capitais, que a Soja abandonou em 2000.
Comentários