International Day: 35 universidades internacionais de engenharia reúnem-se no Técnico

Entre os convidados contam-se mais de 100 altos representantes destas instituições de ensino superior estão o Ministro Adjunto para os Assuntos Parlamentares, Eduardo Cabrita e o professor Torsten Fransson da KTH/ Suécia.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O Instituto Superior Técnico vai ser hoje o ponto de encontro de 35 instituições de Ensino Superior da Europa, do Brasil, China, Japão, Canadá e Austrália, pertencentes à rede TIME – Top Industrial Managers Europe, na iniciativa ‘International Day’.

Entre os convidados contam-se mais de 100 altos representantes destas instituições de ensino superior, incluindo na discussão temas como a Igualdade do Género na Ciência e Tecnologia, apresentado pelo Ministro Adjunto para os Assuntos Parlamentares, Eduardo Cabrita, ou a Estratégia de Cooperação e Desenvolvimento com África, apresentado por Torsten Fransson da KTH/ Suécia.

“O objectivo é a cooperação internacional, o networking institucional, o estabelecimento de parcerias diversas e colaboração em projectos e a dinamização de oportunidades para estudantes, docentes e investigadores do Técnico, dos centros afiliados e dos parceiros industriais com quem o IST mantém relações privilegiadas”, explica o Técnico em comunicado.

No último ano estiveram presentes cerca de 1000 estudantes na iniciativa, segundo dados da organização.

A rede TIME é uma das pioneiras “na conceção e implementação de duplos graus em todo o mundo”.

Recomendadas

“Levem lombo, cachaço e costeletas”. Mega churrasco na Universidade de Coimbra marcado para novembro

O evento foi criado na rede social Facebook e já conta com mais de duas mil pessoas ‘confirmadas’. No passado dia 17 de setembro o reitor da universidade, Amílcar Falcão, anunciou a proibição de carne de vaca nas cantinas no combate às “alterações climáticas”.

“Universidade com 700 anos quer banir alimento com milhares de anos? Incompreensível”. Produtores de leite revoltados com Universidade Coimbra

A organização explica que a carne não é o principal produto das vacarias e que a venda ou engorda dos vitelos machos e das vacas após o fim da vida produtiva “é um complemento fundamental, quando o preço do leite está abaixo do custo de produção”.

Oeiras anuncia 1,8 milhões por ano até 2025 para a ciência

Oeiras torna-se o primeiro município a disponibilizar uma verba exclusivamente para a ciência.
Comentários