International Day: 35 universidades internacionais de engenharia reúnem-se no Técnico

Entre os convidados contam-se mais de 100 altos representantes destas instituições de ensino superior estão o Ministro Adjunto para os Assuntos Parlamentares, Eduardo Cabrita e o professor Torsten Fransson da KTH/ Suécia.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O Instituto Superior Técnico vai ser hoje o ponto de encontro de 35 instituições de Ensino Superior da Europa, do Brasil, China, Japão, Canadá e Austrália, pertencentes à rede TIME – Top Industrial Managers Europe, na iniciativa ‘International Day’.

Entre os convidados contam-se mais de 100 altos representantes destas instituições de ensino superior, incluindo na discussão temas como a Igualdade do Género na Ciência e Tecnologia, apresentado pelo Ministro Adjunto para os Assuntos Parlamentares, Eduardo Cabrita, ou a Estratégia de Cooperação e Desenvolvimento com África, apresentado por Torsten Fransson da KTH/ Suécia.

“O objectivo é a cooperação internacional, o networking institucional, o estabelecimento de parcerias diversas e colaboração em projectos e a dinamização de oportunidades para estudantes, docentes e investigadores do Técnico, dos centros afiliados e dos parceiros industriais com quem o IST mantém relações privilegiadas”, explica o Técnico em comunicado.

No último ano estiveram presentes cerca de 1000 estudantes na iniciativa, segundo dados da organização.

A rede TIME é uma das pioneiras “na conceção e implementação de duplos graus em todo o mundo”.

Recomendadas

FCT aprova 400 novos contratos de trabalho a prazo para cientistas

Os contratos de trabalho selecionados – 208 para investigador júnior, 156 para investigador assistente, 35 para investigador principal e 1 para investigador coordenador – têm a duração máxima de seis anos, de acordo com a legislação de estímulo ao emprego científico.

Nelson Ribeiro: “A ideia de que a universidade serve apenas para formar técnicos é algo que me assusta”

Para o diretor da FCH-Católica, o papel da Universidade é inquestionável: formar novas gerações capazes de pensar pela própria cabeça, de inovar e de desenvolver um espírito crítico. Formar apenas técnicos é olhar só para o presente. Sem perspetiva. “Precisamos de formar para o futuro”, diz Nelson Ribeiro, e “construir uma sociedade mais justa e mais inclusiva”.

Mais de 20% dos trabalhadores em Portugal querem receber criptomoedas como benefício extrassalarial

Dois em cada três colaboradores preferem um salário bruto anual de 21 mil euros e 5 mil euros em benefícios do que um salário bruto anual de 25 mil euros, concluiu um estudo da startup Coverflex e da Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas.
Comentários