Investigadores do Porto exploram recursos do mar profundo

Para os investigadores, o desafio deste projeto passa por “conseguir reunir todos estes requisitos numa tecnologia que permita monitorizar em tempo real parâmetros físicos, químicos e biológicos num sistema complexo como é o mar”.

“Conhecer para intervir” é o lema do projeto de investigação científica desenvolvido por investigadores do Porto, que recorre ao uso de novas ferramentas tecnológicas para uma exploração sustentável dos recursos marinhos do mar profundo.

Denominado de CORAL – Sustainable Ocean Exploitation: Tools and Sensors, este projeto resulta de uma parceria entre o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto (CIIMAR) e o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

“O mar profundo contém uma vasta reserva de recursos, tanto de origem mineral como biológica, com um vasto potencial no entanto, muitos desses recursos estão localizados em ecossistemas sensíveis, que são mal estudados e compreendidos”, revela Filipe Castro, um dos coordenadores do projeto e investigador no CIIMAR, em comunicado. Neste contexto, torna-se “fundamental o desenvolvimento de ferramentas tecnológicas e sensores adequados para assegurar uma exploração sustentável e responsável destes recursos marinhos e ainda a implementação de ações estratégicas com impacto nacional e regional”, salienta.

O projeto terá uma duração de 3 anos e possui duas linhas de investigação.

A primeira, apelidada de Bluetools, pretende responder à necessidade crescente da criação de ferramentas e tecnologias robóticas de ponta, capazes de operar em ambientes marinhos, para monitorização e exploração do solo dos fundos marinhos. Estas novas soluções, “serão combinadas com o desenvolvimento de diretivas, métodos de avaliação de risco e impacto e recomendações para uma futura exploração mineira dos recursos não vivos de profundidade na União Europeia”, explica Eduardo Silva, coordenador do Centro de Robótica e Sistemas Autónomos do INESC TEC e docente no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), em comunicado.

Quanto à segunda linha, a BlueSensors, é dedicada ao desenvolvimento de sensores inovadores baseados em tecnologia fotónica para operação em ambientes marinhos, cujo caráter instável e agreste levanta vários desafios científicos. A criação de sensores físicos, químicos e biológicos para uma perceção in-situ capaz de fornecer informações críticas em múltiplas dimensões: compreensão da evolução da qualidade da água, avaliação do impacto na biodiversidade, avaliação da integridade dos navios e Infraestruturas marinhas, é condição fundamental para uma gestão eficiente e sustentável da exploração dos recursos marinhos.

O CORAL – Sustainable Ocean Exploitation: Tools and Sensors  é financiado pelo Programa Operacional Regional do Norte (NORTE2020) através Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

 

 

 

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Estatuto de Jovem Empresário Rural prevê benefícios fiscais

Os jovens que conseguirem ter acesso a este estatuto contarão “com a abertura de concursos e/ou de apoios específicos”, com uma “majoração na atribuição de apoios”, a criação de “dotações financeiras específicas” na área do desenvolvimento territorial, destinadas ao apoio ao investimento.

Unicórnio alemão vai instalar-se em Matosinhos e procura programadores e engenheiros

Depois de chegar ao Porto em 2017, a “rede social do trabalho” Xing, cuja sede é em Hamburgo, vai inaugurar um novo escritório em Matosinhos já no início de fevereiro.

Cuatrecasas apoia Indico Capital Partners na criação do fundo de 46 milhões de euros

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira prestou assessoria jurídica à Indico Capital Partners no lançamento do seu primeiro fundo de investimento em capital risco, com mais de 46 milhões de euros – comprometidos por investidores de oito países diferentes –, para investir em startups tecnológicas.
Comentários