Investigadores norte-americanos identificam duas variantes do vírus

Os investigadores assinalaram que é demasiado cedo para entender se as novas variantes estão a responder às vacinas que estão a ser administradas desde dezembro à população em risco nos Estados Unidos.

Getty Images

Investigadores norte-americanos detetaram duas variantes do vírus SARS-CoV-2 com um comportamento semelhante à da variante britânica e que poderão ser mais contagiosas que a que atinge o país, segundo um estudo preliminar divulgado na quarta-feira.

Uma das variantes sofreu uma mutação semelhante à registada no Reino Unido, enquanto outra, nunca vista, foi detetada em Columbus, no estado do Ohio, onde se tornou na variante dominante em poucas semanas.

“A variante de Columbus tem a base genética de casos semelhantes que estudámos, mas apresenta três mutações que significariam uma evolução muito importante”, afirmou o professor de patologia da Universidade de Ohio State, Dan Jones, citado pela agência noticiosa Efe.

De acordo com Jones, a nova variante “aumentou a transmissibilidade [do coronavírus] em comparação” com o vírus original, com o investigador a acreditar que as medidas de confinamento não serão suficientes para impedir a propagação desta estirpe.

As duas variantes têm origem em mutações dentro dos Estados Unidos e não foram importadas de outros países desde março, quando foram iniciadas as sequenciações.

A investigação, que ainda não foi revista, aponta que o coronavírus SARS-CoV-2 está a experienciar um período de alterações significativas na sua composição genética.

Os investigadores assinalaram que é demasiado cedo para entender se as novas variantes estão a responder às vacinas que estão a ser administradas desde dezembro à população em risco nos Estados Unidos.

O grupo de trabalho da Casa Branca sugeriu no início do mês que poderá haver uma “variante dos EUA” devido ao aumento das infeções ocorridas no país durante os últimos meses.

Os Estados Unidos têm somado, diariamente, entre 200.000 a 300.000 novos casos de covid-19, assim como mais de 4.000 mortes por dia.

Desde o início da pandemia, os EUA acumularam 22,8 milhões de casos confirmados e mais de 380 mil mortos.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.963.557 mortos resultantes de mais de 91,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Variante da África do Sul já foi identificada em Portugal

O caso identificado em Portugal, através da sequenciação genómica, foi já reportado pelo INSA às autoridades competentes de saúde.

Que desafios coloca a pandemia aos clubes de Lisboa? Veja o “Jogo Económico”

Nesta edição, vamos perceber como a Covid-19 está a afetar os 264 clubes e os cerca de 10 mil atletas inscritos na Associação de Futebol de Lisboa, com a ajuda do presidente, Nuno Lobo. A centralização dos direitos televisivos em Portugal também será um dos temas em debate neste programa.

Amazon planeia vacinar milhares de pessoas numa clínica dentro da sede

O anúncio da criação da clínica surge poucos dias depois da Amazon se ter oferecido para ajudar a administração de Biden a distribuir as doses da vacina. A empresa disse que está disposta a usar todos os seus recursos para vacinar o maior número possível de pessoas, gratuitamente.
Comentários