Investimento da banca no digital não cativa investidores

A consultora norte-americana Oliver Wyman concluiu que apenas um quarto dos investidores inquiridos na eficácia das transformações digitais operadas pelos bancos tradicionais muito por causa da incerteza associada à mutação do setor financeiro.

O setor financeiro está em profunda mutação. Os bancos incumbentes estão pressionados para investir na inovação e no desenvolvimento de novos produtos – ou na digitalização de produtos já existentes – para competirem com novos agentes que tomaram de assalto o setor, como as fintech ou as big tech.

Mas as pressões vêm também, muitas vezes, da comunidade de investidores. A consultora norte-americana Oliver Wyman concluiu que apenas um quarto dos investidores inquiridos na eficácia das transformações digitais operadas pelos bancos tradicionais muito por causa da incerteza associada à mutação do setor financeiro. O relatório “When Vision and Value Collide”, da Oliver Wyman, concluiu ainda que apenas 1% dos investidores qualificam como credíveis os investimentos levados a cabo pela banca no digital.

Investir no digital parece ser uma inevitabilidade para a sobrevivência de um banco no mundo atual, mas a verdade é que um chief financial officer de um banco disse à Oliver Wyman que se sente “antiquado” quando pergunta por que razões os investimentos no digital ainda não deram retorno.

Ainda, outro CFO revelou que o banco onde trabalha “demorou mais de cem ano até chegar aos dez milhões de clientes, mas uma parceria com uma big tech fez isso da noite para o dia”, lê-se no relatório.

Apesar da concorrência, nomeadamente das fintech, a Oliver Wyman concluiu estas apenas contribuíram para 25% da queda das receitas dos bancos incumbentes. Já as baixas taxas de juro representaram 75% destas quedas.

Recomendadas

António Simões sai do banco britânico HSBC depois de quebra nos lucros de 53%

O gestor português que liderava a banca privada chegou a ser apontado à liderança do HSBC, mas acabou por sair no âmbito da reestruturação que provocou o despedimento de 35 mil pessoas.

Julius Baer envolvido em casos de corrupção com a PVDSA e FIFA

“Os procedimentos, agora concluídos, descobriram que o Julius Baer incumpriu com as obrigações relativas ao combate ao branqueamento de capitais e com o seu dever de pôr em prática políticas de gestão de risco apropriadas, o que constitui uma infração grave da lei dos mercados financeiros”, frisou, o supervisor financeiro suíço, a FINMA

Banco central chinês reduz taxa de juros para aliviar impacto económico do surto

Os credores chineses reduziram esta quinta-feira a taxa de juros base em 0,1 ponto percentual, numa altura em que o país enfrenta o surto do coronavírus Covid-19, que levou ao encerramento de vários negócios.
Comentários