Investimento de 85 milhões da Luís Simões em centro logístico começa a erguer-se

Está em curso a construção de uma das três naves que vão compor o novo e avançado complexo logístico, no qual a Luís Simões e a Montepino Logística vão investir 85 milhões de euros.

????????????????????????????????????

A Luís Simões, operador logístico de referência na Península Ibérica, iniciou a construção da primeira fase do seu novo Centro de Operações Logísticas em Guadalajara, desenvolvido em parceria com a Montepino Logística.

Esta primeira fase, explica a empresa, em comunicado, inclui a construção do armazém B, um dos três armazéns que vão compor o novo e avançado complexo logístico localizado no Polígono Puerta Centro de Guadalajara.

Esta nave terá uma área de 29.083m2, 13,70 metros de altura, 34 cais e capacidade para 43 mil paletes. Além disso, contará com cerca de 2.200m2 de área para Copacking, atividade de peso para o desenvolvimento de serviços de logística promocional e de logística e-commerce, dois segmentos fundamentais para o core business da Luís Simões.

Este investimento, segundo esclarece António Fernandes, responsável do projeto, “é uma grande oportunidade para a Luís Simões continuar a posicionar-se como um operador líder na Península Ibérica e permitirá expandir as suas operações em Espanha”, ressalvando ainda que a inovação vai desempenhar um “papel fundamental”.

Apesar de já estar presente em Cabanillas del Campo, com um COL (Centro de Operações Logísticas) de 66.380m2 e capacidade para 95 mil paletes, a empresa continua a apostar em Guadalajara como centro fulcral da sua atividade no mercado espanhol.

Relacionadas

Luís Simões investe 17 milhões de euros em centro de operações logísticas

O operador logístico de fluxos rodoviários vai implementar o novo modelo em Cabanillas del Campo (Guadalajara), Espanha, com foco na implementação de processos automatizados.
Recomendadas

Mota-Engil acusada de não pagar a empresas sub-contratadas na Colômbia

O tema é alvo de notícias nos media colombianos. Mas a Mota-Engil esclarece que são dívidas de subempreiteiros para com funcionários que “erradamente” estão a imputar à empresa enquanto empreiteiro geral. Pois “não têm qualquer relação contratual com a Mota-Engil, que sempre cumpriu as suas responsabilidades”.

António Sá da Costa nega existência de “rendas excessivas na eletricidade renovável”

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o presidente da APREN defendeu que “os investimentos na eletricidade renovável trouxeram grandes benefícios para a economia e para o cidadão”.

BCE aprova administradores do Banco Santander Totta

“Com esta decisão, a totalidade dos membros propostos para o Conselho de Administração e a respetiva Comissão Executiva entra de imediato em funções plenas”, diz o banco agora liderado por Pedro Castro e Almeida.
Comentários