IPO: “Forte procura dos investidores” leva Raize a antecipar rateio

Oferta começou esta segunda-feira e será de 15% do capital da Raize, a um preço fixo de dois euros por cada uma das 750.000 ações, o que avalia a empresa em 10 milhões de euros.

Ler mais

A oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de ações da fintech portuguesa Raize assistiu a uma “forte procura dos investidores nos primeiros dias”, segundo a própria empresa. A operação começou na segunda-feira e irá durar até 12 de julho. Face aos sinais iniciais, a Raize espera que haja rateio de ordens.

“Com base na procura verificada nos primeiros dias, estimamos que a totalidade das ações da Raize fiquem subscritas durante as primeiras semanas da oferta”, explicou fonte oficial da fintech, em declarações enviadas ao Jornal Económico. “Esta estimativa reflete uma forte procura dos investidores de retalho e perspetiva a necessidade de rateio de ordens no final da operação”.

A oferta será de 15% do capital da Raize, a um preço fixo de dois euros por cada uma das 750.000 ações, o que avalia a empresa em 10 milhões de euros.

O montante mínimo de uma ordem de compra é de cem euros, ou seja, 50 ações, sendo que caso a procura seja superior ao montante da oferta, proceder-se-á ao rateio das ofertas forma proporcional. O apuramento dos resultados terá lugar a 13 de julho de 2018 e a liquidação das ações irá acontecer a 17 de julho.

No dia seguinte, a sociedade gestora da maior bolsa nacional de empréstimos a pequenas e médias empresas (PME) irá ser admitida à negociação no mercado Euronext Access. Após a entrada em bolsa, a Raize vai disponibilizar ações representativas de mais 10% do capital durante um período de seis meses.

CEO da Euronext vê “boa notícia” da chegada da Raize à bolsa sem “entusiasmo excessivo”

 

Relacionadas

CEO da Euronext vê “boa notícia” da chegada da Raize à bolsa sem “entusiasmo excessivo”

Paulo Rodrigues da Silva diz esperar que entre este ano e o próximo haja novas ofertas públicas iniciais (IPO) na bolsa de Lisboa. A Sonae Retalho e as Sociedades de Investimento Mobiliário para o Fomento da Economia poderão ser as candidatas.

Ações da Raize já estão disponíveis a novos investidores

Ações no valor de 15% do ‘fintech’ portuguesa ficaram disponíveis a partir desta segunda-feira. A empresa avaliada em 10 milhões de euros torna-se a primeira em vários anos a entrar na bolsa de Lisboa a 18 de julho.

Raize: “Temos de ter ambição para voltar a ativar o mercado de capitais”

A Raize vai ser a primeira empresa a entrar na bolsa desde 2016. O pedido já foi entregue na Euronext, que se irá pronunciar nas próximas semanas.
Recomendadas

Wall Street fecha mista em dia de Farfetch

O Dow Jones fechou em alta em contra-mão com os Nasdaq e S&P. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma subida do preço da ação face ao preço da colocação no IPO (oferta pública inicial).

Farfetch vale 7,02 mil milhões de dólares em bolsa

No lançamento do IPO, as ações da empresa valiam 20 dólares (17,03 euros), mas no final da sessão fecharam com uma cotação de 28,5 dólares. Ao fecho da sessão, a Farfetch tinha uma capitalização bolsista de 7,02 mil milhões de dólares (6,13 mil milhões de euros).

Bolsa de Lisboa fecha em terreno negativo em contra-ciclo com a Europa

A família Sonae, a Mota-Engil e a Pharol estragaram a sessão da bolsa lisboeta ao registarem quedas acima de 3%. A maioria das praças europeias encerrou em alta, com os índices ibéricos a registarem performances inferiores aos pares. O Euro Stoxx 50 registou a décima sessão consecutiva de valorização.
Comentários