Irão assegura que não está de saída da OPEP

Embargo dos Estados Unidos à produção de petróleo iraniano parece ser uma pressão para que o país deixe o agregado. Mas Teerão não está a contar seguir o caminho do Qatar.

Raheb Homavandi/REUTERS

O ministro iraniano do Petróleo, Bijan Namdar Zanganeh, descartou uma possível saída do seu país da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) após a decisão do Qatar de sair da organização, alegadamente para se concentrar na produção de gás natural, informou a agência oficial de notícias iraniana, a Irna.

“O Irão é um dos fundadores da OPEP e não vai deixar a organização”, disse o ministro da capital austríaca, Viena, onde está a decorrer uma reunião daa OPEP. Zanganeh lamentou que o Qatar tenha decidido deixar a OPEP: “o Irão não está satisfeito com a retirada“, que acontecerá em janeiro do próximo ano.

A possibilidade de o Irão deixar a organização tem a ver com o embargo que os Estados Unidos impuseram à compra de petróleo iraniano – alegadamente porque as mais-valias servem para o financiamento do retorismo internacional e para financiar um pretenso programa nuclear ilegal do ponto de vista do direito internacional.

De algumas forma, a saída do Irão seria um sinal de fraqueza por parte de Teerão, que está interessada em mostrar exatamente o contrário: apesar do choque que irá suceder, os países que são os maiores consumidores de petróleo iraniano – China e Índia – continuam a apresentar-se como clientes, pelo que o impacto na produção será reduzido.

O ministro iraniano chegou a Viena para participar da reunião da OPEP, onde a redução da produção de petróleo pelo cartel está em debate, para reequilibrar o mercado das quedas inesperadas dos preços nas últimas semanas.

Relacionadas

Respostas Rápidas: Qual o impacto que a saída do Qatar terá para a OPEP?

O ministro da Energia do Qatar, Saad Al-KaabiChakib Khelil, anunciou esta segunda-feira que o país vai deixar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em janeiro do próximo ano. Saiba o que está em causa com esta saída.

OPEP aponta para menos produção de petróleo. Irão e Estados Unidos estão contra

Face a uma queda dos preços do petróleo, superior a 30% nos dois últimos meses, os ministros que já estão na capital austríaca, na véspera de uma reunião da OPEP, afirmaram que querem chegar a um acordo de redução da produção.
Recomendadas

Angola arrisca-se a cair para quinta maior economia de África

A Bloomberg Intelligence alertou que novas desvalorizações do kwanza, no seguimento do acordo com o FMI, podem fazer com que Angola caia para o quinto lugar das maiores economias da África subsariana.

Presidente da CPLP defende que desafios nos direitos humanos ainda são “acentuados”

Jorge Carlos Fonseca mostrou a sua satisfação com o facto de hoje em dia as pessoas terem cada vez maior consciência dos seus direitos, e falando da CPLP adiantou que o “desfraldar” das bandeiras da declaração revela-se de grande relevância ao nível da Comunidade.

Relatórios, apelos de urgência e protestos. Os momentos que estão a marcar o COP24

A Cimeira do Clima termina hoje. Depois de duas semanas a discutir medidas de prevenção contra o aquecimento global, avaliar progressos e alertar os representantes para fazer melhor, o COP24 chega ao fim. Estes foram os momentos chave da cimeira.
Comentários