IRS: Retenção na fonte vai separar salário e trabalho extraordinário

A proposta de alteração apresentada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, aos parceiros sociais tem como objetivo evitar que por uma diferença de um euro um trabalhador suba de escalão e pague mais impostos.

Cristina Bernardo

O Governo estará a planear alterar a aplicação da retenção na fonte do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) para trabalhadores que recebam o salário e rendimentos referentes a trabalho suplementar, o que poderá dizer respeito a horas extraordinários ou feriados, segundo confirmaram fontes da concertação social ao Dinheiro Vivo.

As taxas aplicadas à retenção na fonte são referentes à totalidade do rendimento, ao contrário do que acontece com os escalões do IRS que são progressivos. O que acontece é que uma diferença de, por exemplo, um euro pode levar a que o trabalhador suba de escalão e pague mais impostos.

A proposta de alteração apresentada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, aos parceiros sociais tem como objetivo evitar que tal aconteça. O que não se sabe ainda é se os rendimentos do trabalho suplementar serão tributados de forma independente do salário ou se a retenção na fonte passará a ser feita com base numa média do rendimento mensal, segundo escreve o Dinheiro Vivo.

Recomendadas

Verdes estão certos de que “sozinho, o PS traria muito menos investimento”

Apesar de admitir que os valores de investimento previstos estão abaixo dos consagrados no OE2015, no então governo do PSD, a deputada Heloísa Apolónia garante que este aumento “já é significativo”.

Frente Comum: “Não é com 50 milhões que se faz aumento de salários”

”Eu estou a ler o Orçamento de Estado. Estou aqui às voltas e não consigo descobrir o dinheiro dos salários, ele deve estar em algum sítio” , revelou Ana Avoila, em declarações ao Jornal Económico.

Nações Unidas alertam para aumento da fome mundial. Saiba como contrariar o flagelo

No Dia Mundial da Alimentação, a campanha “Fome Zero” lança várias ideias para a combater a fome mundial, numa altura em que 820 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crónica, de acordo com as Nações Unidas.
Comentários