IRS: Retenção na fonte vai separar salário e trabalho extraordinário

A proposta de alteração apresentada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, aos parceiros sociais tem como objetivo evitar que por uma diferença de um euro um trabalhador suba de escalão e pague mais impostos.

Cristina Bernardo

O Governo estará a planear alterar a aplicação da retenção na fonte do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) para trabalhadores que recebam o salário e rendimentos referentes a trabalho suplementar, o que poderá dizer respeito a horas extraordinários ou feriados, segundo confirmaram fontes da concertação social ao Dinheiro Vivo.

As taxas aplicadas à retenção na fonte são referentes à totalidade do rendimento, ao contrário do que acontece com os escalões do IRS que são progressivos. O que acontece é que uma diferença de, por exemplo, um euro pode levar a que o trabalhador suba de escalão e pague mais impostos.

A proposta de alteração apresentada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, aos parceiros sociais tem como objetivo evitar que tal aconteça. O que não se sabe ainda é se os rendimentos do trabalho suplementar serão tributados de forma independente do salário ou se a retenção na fonte passará a ser feita com base numa média do rendimento mensal, segundo escreve o Dinheiro Vivo.

Recomendadas

OCDE quer maior facilidade nos processos de insolvência em Portugal

No relatório sobre a economia portuguesa, a OCDE explica que a rendibilidade da banca melhorou, mas continua baixa e que o crédito malparado tem vindo a diminuir, mas continua elevado. Facilitar a liquidação de empresas insolventes e reduzir as restrições à sua saída do mercado estão entre as recomendações.

Subida de taxas de juro do BCE terá impacto negativo para famílias e empresas, alerta OCDE

OCDE considera que normalização da política monetária por Frankfurt poderá ter um impacto negativo para as despesas das famílias e empresas portuguesas. Consolidação orçamental é para manter, diz, e aconselha limitar o acesso às reformas antecipadas.

OCDE recomenda que Portugal suba os impostos sobre o gasóleo

OCDE considera que existe margem para aumentar a fiscalidade ambiental e que “tarifários nacionais de algumas fontes de energia não refletem os custos ambientais associados à sua utilização”. Promoção de utilização de transportes públicos e novas soluções de transporte partilhados são também recomendadas.
Comentários