IRS: Retenção na fonte vai separar salário e trabalho extraordinário

A proposta de alteração apresentada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, aos parceiros sociais tem como objetivo evitar que por uma diferença de um euro um trabalhador suba de escalão e pague mais impostos.

Cristina Bernardo

O Governo estará a planear alterar a aplicação da retenção na fonte do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) para trabalhadores que recebam o salário e rendimentos referentes a trabalho suplementar, o que poderá dizer respeito a horas extraordinários ou feriados, segundo confirmaram fontes da concertação social ao Dinheiro Vivo.

As taxas aplicadas à retenção na fonte são referentes à totalidade do rendimento, ao contrário do que acontece com os escalões do IRS que são progressivos. O que acontece é que uma diferença de, por exemplo, um euro pode levar a que o trabalhador suba de escalão e pague mais impostos.

A proposta de alteração apresentada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, aos parceiros sociais tem como objetivo evitar que tal aconteça. O que não se sabe ainda é se os rendimentos do trabalho suplementar serão tributados de forma independente do salário ou se a retenção na fonte passará a ser feita com base numa média do rendimento mensal, segundo escreve o Dinheiro Vivo.

Recomendadas

OCDE: Portugal é dos poucos países onde perceção sobre imigração evoluiu positivamente

Portugal foi um dos poucos países europeus onde a perceção sobre os imigrantes evoluiu mais favoravelmente nos últimos doze anos, de acordo com um relatório da OCDE, que considera o país uma “notável exceção”.

Ana Paula Vitorino garante que a próxima reunião do Porto de Setúbal “é para fechar um acordo”

Na entrevista, a ministra do Mar faz pela primeira vez as contas aos prejuízos da greve no Porto de Setúbal e revela que se a greve continuasse até ao final do ano, haveria uma redução de 70% no volume de negócios. Até ao momento, segundo a ministra do Mar, “o prejuízo ronda os 50% de um total anual de 300 milhões de euros, sem contar com o valor induzido”.

136 mil participantes e 1.200 detenções: os números dos protestos dos “coletes amarelos” este sábado

Perto de 136.000 pessoas participaram nesta jornada de mobilização, tantas quantas as que engrossaram a mobilização de 1 de dezembro, acrescentou o Ministério do Interior.
Comentários