Itália aguarda decisão da União Europeia sobre o seu projeto de orçamento na próxima terça-feira

O governo italiano espera que a Comissão Europeia tome uma decisão sem precedentes de pedir a um Estado-membro que emendará e reapresentará o seu projeto de orçamento, referiu uma fonte do governo este domingo, 21 de outubro.

O governo de Itália aguarda por uma decisão da Comissão Europeia na próxima terça-feira, 23 de outubro, relativo ao seu projeto de orçamento. Uma decisão sem precedentes e que visa pedir a um Estado-membro que emendará e reapresentará este projeto de orçamento italiano, segundo revelou uma fonte do governo este domingo, 21 de outubro, indica a agência “Reuters”.

A Itália está sobre alta-pressão em Bruxelas com um plano para elevar o défice orçamental para 2,4% da produção interna no ano de 2019, de 1,8% em 2018. A Comissão Europeia classificou o projeto de orçamento para 2019 como uma violação sem precedentes das regras fiscais da União Europeia.

O governo italiano vai enviar na segunda-feira uma carta à Comissão a explicar as suas razões para manter a meta de 2,4%, referiu o vice-Primeiro-Ministro Luigi Di Maio.

Um porta-voz da Comissão afirmou que a mesma manifestou “sérias preocupações” sobre o projeto de orçamento às autoridades italianas, procurando mais detalhes para facilitar uma avaliação.

“Pedimos a opinião do governo italiano até o meio dia de segunda-feira, 22 de outubro”, salientou o porta-voz.

Recomendadas

É oficial: o café está em risco de extinção

Alterações climáticas que se têm sentido nos últimos anos estão a afetar a produção de café.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.

Reforma da supervisão financeira anunciada há quase dois anos continua por fazer

A reforma da supervisão financeira faz parte do programa do Governo, de finais de 2015, e logo em 2016 o ministro das Finanças, Mário Centeno, falou da necessidade de lançar uma “reflexão profunda” sobre a supervisão, para que “funcione melhor”, tendo em conta que “a experiência recente do sistema financeiro [português] é dececionante”.
Comentários